Blog

Investidor ArrojadoInvestidor ModeradoTrader

Entenda as diferenças entre home broker e plataforma operacional

Por Rodrigo Santos
27 fevereiro 2018 - 13:10 | Atualizado em 27 novembro 2020 - 11:53

Quem quer operar no mercado de ações precisa conhecer o conceito de home broker. Trata-se de um sistema que permite a negociação de ações e outros ativos financeiros pela internet de forma simples e rápida. Ter um bom home broker, portanto, é fundamental para quem quer ser um bom trader.

Dominar esse sistema é o primeiro passo para ganhar dinheiro com ações. Afinal, o home broker tornou as negociações na bolsa de valores acessíveis a qualquer investidor — e, o melhor, na palma da mão via smartphones e tablets.

Quer saber mais sobre o home broker? Continue acompanhando este post!

As corretoras e o home broker

A bolsa de valores é um ambiente restrito e não é possível ir até lá ou acessar seu site para comprar ações. Quem faz isso são as corretoras de valores: elas intermedeiam as negociações entre os investidores e a BM&FBovespa (B3). Para facilitar essas transações, entra em cena o home broker, que permite negociar online.

Assim, o primeiro passo para o investidor que quer operar na bolsa é contratar uma corretora que forneça um home broker. Uma vez ambientado ao sistema, o cliente pode começar a negociar. Nesse ambiente, as transações são feitas usando o boleto.

Com ele, o pedido é enviado diretamente para o sistema da bolsa de valores de forma simples e rápida: basta inserir a sigla do ativo, a quantidade e o preço. Se o custo da ação alcançar o valor oferecido no boleto — e ainda houver papéis disponíveis para a compra —, a ordem é executada.

Vantagens do home broker

Entre as vantagens de usar o home broker estão:

  • comodidade: além de enviar notificações sobre os pedidos executados, o sistema guarda o histórico das operações e mostra notícias em tempo real;
  • diversificação: o investidor pode operar nos mercados de ações, futuros, opções e fundos;
  • praticidade: é possível programar ordens de compra e venda e apenas acompanhar as execuções, sem precisar acompanhá-las em tempo real.

No home broker, as informações básicas mostradas na tela principal são:

  • cesta de ordens: armazena os detalhes das ordens enviadas;
  • informações de saldo: indicam quanto dinheiro está disponível na sua conta na corretora;
  • carteira de ações: permite visualizar informações sobre as ações em que você está interessado;
  • boleta de ordens: formulário usado para a compra ou venda de ações;
  • livro de ofertas (book): mostra quais ordens estão no sistema da bolsa de valores para uma determinada ação;
  • gráfico: demonstra, de forma visual, a variação dos preços;
  • custódia: mostra quais e quantas ações você tem.

As funcionalidades do home broker podem variar de corretora para corretora. Algumas disponibilizam também notícias econômicas, relatórios de análise das ações, ferramentas gráficas e outras comodidades.

É importante checar quais são as facilidades oferecidas, se há custos extras envolvidos e se elas suprem as suas necessidades para conseguir traçar suas estratégias, tomar as decisões de investimento e fazer as operações com comodidade e segurança.

O que é uma plataforma operacional?

A plataforma operacional é uma ferramenta mais completa que o home broker e mais parecida com o sistema que os operadores profissionais utilizam. Nela, o trader pode estudar as oscilações dos papéis em que tem interesse para, assim, tomar as melhores decisões sobre suas ações.

A qualidade da plataforma operacional é fundamental para garantir bons negócios. Afinal, se o sistema falhar e ela ficar atrasada em relação às cotações, a chance de perder dinheiro é grande. Uma boa opção nesse mercado é a Fast Trade, da Cedro Technologies.

Nela, o cliente pode acompanhar as cotações de ações, agrícolas futuros, moedas, indicadores, taxas e mercados internacionais, bem como enviar as ordens diretamente para a BM&FBOVESPA (B3). Suas principais funcionalidades são:

  • planilhas de cotação;
  • livros de ofertas;
  • link RTD (link com o Excel);
  • negócios realizados (Tick by Tick);
  • fast quote;
  • notícias (com leitor RSS);
  • Bovespa Volumes;
  • ranking de ativos, mercados, brokers e corretoras;
  • maiores altas e maiores baixas;
  • calculadora de Spread;
  • ticker e alarmes de cotação;
  • sistema gráfico;
  • volume at price.

Para a negociação eletrônica, ela tem:

  • boleta de compra e venda;
  • boleta Speed;
  • mega DOM;
  • basket;
  • ordem direta;
  • quick trade: modo inovador de operar;
  • charting trading;
  • acompanhamento de ordens;
  • resumo de operações e execuções;
  • L/P diário;
  • relatórios (extrato financeiro, nota de corretagem, saldos e custódia);
  • alertas sonoros;
  • fat finger.

Assim, quando se usa a plataforma operacional adequada, fica mais fácil visualizar cotações variadas simultaneamente, o que ajuda a reduzir custos e a receber informações exatas sobre os preços momentâneos das ações.

Quer saber mais sobre como se dedicar ao mercado de ações usando um home broker ou um plataforma operacional? Entre em contato com a gente e descubra como podemos ajudá-lo a operar no mercado de ações.

O que é melhor: home broker ou plataforma operacional?

A resposta para esta questão é: depende. Assim como a escolha de um carro ou de uma casa, sua ferramenta de negociações na bolsa de valores deve ser a mais adequada para você. Se você tem vários filhos e usa seu carro para transportá-los, provavelmente, o melhor carro para você não é o mesmo de quem não tem filhos e costuma andar sozinho no automóvel.

A primeira pergunta que se deve fazer, portanto, é: como é o seu estilo de operar na bolsa de valores? Para isso, é preciso saber qual é o seu objetivo. Você quer formar uma carteira de ações e mantê-la no médio ou longo prazos? Ou você quer tentar lucrar comprando e vendendo ações em prazos curtos, em operações com margem baixa e nas quais se ganha mais pelo volume?

Pensando nisso, o home broker é uma ferramenta um pouco mais simples e mais indicada para quem faz transações eventuais na bolsa de valores. Não precisa, portanto, acompanhar de perto a variação da cotação dos ativos, já que uma diferença de alguns centavos não afetará uma estratégia de investimentos que visa o longo prazo.

Já a plataforma operacional traz mais recursos e é mais precisa na atualização das cotações. É indicada para quem opera bastante e faz trades de curto prazo. Para isso, rapidez e precisão podem ser a diferença entre o lucro e o prejuízo nas operações.

É o caso, por exemplo, das operações de curtíssimo prazo, como o day trade, em que os papéis são comprados e vendidos no mesmo dia. Nessas situações, qualquer centavo faz diferença no resultado da operação e uma plataforma mais robusta é essencial.

Também se encaixam nesse perfil outros investidores que usam estratégias de curto prazo, como os scalpers, que fazem operações bem curtas e rápidas, e os algotraders, que usam programas e algoritmos que apontam pontos de entrada e saída nas ações.

Assim, pudemos notar que tanto o home broker quanto as plataformas operacionais têm suas vantagens. A escolha da ferramenta ideal depende do seu perfil de investidor, dos seus objetivos e das suas estratégias de investimento.

Se você está entrando agora no mundo da bolsa de valores, certamente, o home broker será a sua primeira ferramenta e é importante se familiarizar com o seu funcionamento.

Agora, se você já é um investidor mais experiente e precisa de agilidade e precisão, o ideal é contar com uma plataforma operacional robusta, que é mais profissional e garantirá que suas estratégias sejam executadas exatamente do jeito que você planejou.

Quer ficar sempre por dentro das novidades na bolsa de valores? Assine a nossa newsletter e receba as informações diretamente na sua caixa postal!




Sobre o autor