Blog

Trader

7 Indicadores Fundamentalistas Essenciais para Analisar uma Empresa

Por Francisco Abrunhoza
11 julho 2019 - 11:01 | Atualizado em 20 janeiro 2021 - 15:45
7 indicadores fundamentalistas essenciais para analisar uma empresa

Investir na bolsa de valores é cada vez mais um tema popular entre os brasileiros, embora a maioria ainda não pratique esse tipo de investimento. Mas, se você chegou até aqui, é porque provavelmente já pensou em dar esse passo e se tornar um bom investidor. Neste post, vamos ajudar explicando os melhores indicadores fundamentalistas.

Se você teve a curiosidade de pesquisar como usar os indicadores ou investir na bolsa de valores, talvez tenha encontrado conteúdos sobre análise técnica e análise fundamentalista. São duas metodologias diferentes que auxiliam no objetivo de analisar uma empresa.

Ao usar uma delas, você deve saber se determinada empresa é uma boa opção para investir o seu dinheiro ou não. As duas metodologias contam com diversos critérios e indicadores na análise de uma empresa listada em bolsa. A seguir, explicamos 7 indicadores fundamentalistas que você deve utilizar para analisar uma empresa e toma decisões. Mas, antes, vamos começar pelo básico e explicar do que se trata a análise fundamentalista.

O que é análise fundamentalista?

análise fundamentalista é uma ferramenta que utiliza indicadores de mercado, dados econômicos, balanços e demais resultados da empresa a fim de identificar boas oportunidades.

Por meio dessa ferramenta, o investidor avalia a saúde financeira de uma empresa e o cenário econômico em que ela se encontra. Tudo isso com o propósito de tentar determinar um preço justo para as ações da empresa analisada, além de identificar boas oportunidades de crescimento e geração de valor.

Na prática, o principal objetivo da análise fundamentalista é encontrar empresas negociadas abaixo do seu “valor ideal” para virar sócio e permanecer com as ações no longo prazo. Dessa forma, o investidor acompanha o crescimento da empresa e recebe parte dos lucros da mesma.

Qual é o histórico da análise fundamentalista?

A análise fundamentalista iniciou com um dos investidores mais conhecidos, chamado de Bejamin Graham, que é autor de “O investidor inteligente”. No livro, Bejamim apresenta uma introdução e alguns pontos basilares da análise fundamentalista de ações.

Cabe ressaltar que Graham foi professor de Warren Buffet, um dos nomes mais conhecidos do mercado financeiro. No livro citado acima, ele mostra como identificar os fundamentos de uma ação, quais múltiplos analisar e qual é a diferença entre valor e preço, indicando que, em alguns casos, o preço da ação não reflete em seu valor, e isso pode acontecer tanto para cima quanto para baixo.

Quais os principais cuidados na análise fundamentalista?

A análise fundamentalista permite que você identifique se uma ação está supervalorizada, ou seja, se está sendo negociada por um preço muito maior do que ela realmente vale. Certificar-se desse ponto é muito importante para o investidor.

Assim, além de saber quando comprar um determinado ativo, o investidor compreende a melhor hora de quando vendê-lo. Contudo, ao comprar um ativo subvalorizado, não significa que ele não pode cair mais. Da mesma forma, vender um ativo que já está supervalorizado também não significa que ele não pode mais subir.

Quais são as estratégias da análise fundamentalista?

Existem diferentes estratégias para realizar uma análise fundamentalista. As principais são a análise fundamentalista top down, a análise bottom up. Conheça um pouco sobre cada uma logo abaixo.

Análise fundamentalista top down

Na análise fundamentalista top down, o investidor começa a realizar a análise “de cima para baixo”. Assim, ele analisa uma determinada empresa de acordo com as tendências macroeconômicas, a partir do país em que a empresa está inserida, do seu mercado de atuação e, principalmente, do setor em que ela é classificada.

Para isso, o investidor deve entender e analisar os setores que podem ser beneficiados ao longo do tempo. A partir disso, fica mais fácil escolher ou não fazer a análise de determinadas empresas que estão inseridas nos setores selecionados.

Análise fundamentalista botton up

A análise fundamentalista bottom up é o inverso da análise fundamentalista top down. Ou seja, a metodologia se concentra em realizar, primeiro, a análise individual de uma determinada ação e não leva muito em consideração a análise do setor e nem das tendências macroeconômicas. É a análise mais utilizada por investidores individuais. Para realizar uma análise macroeconômica bem feita, é necessário estudar bastante.

Quais os 7 indicadores fundamentalistas essenciais ao analisar uma empresa?

Agora que já definimos o que é análise fundamentalista, vamos apresentar alguns dos indicadores fundamentalistas essenciais na hora de analisar uma empresa.

1. Preço sobre Lucro: P/L

O indicador P/L é o preço da ação negociada na bolsa sobre o lucro líquido da empresa por ação. Ele mostra quanto tempo o investidor levaria para reaver o capital investido, caso a empresa distribuísse 100% dos lucros aos acionistas e caso ela continuasse lucrando sempre o que ela lucra hoje.

Ou seja, ele é um indicador que não considera o reinvestimento dos lucros por parte da empresa e nem o potencial de crescimento da mesma. Um P/L alto significa que você levaria muito tempo para recuperar seu capital investido.

Contudo, este indicador não pode ser utilizado sozinho. Até mesmo porque um P/L alto pode significar que o mercado tem altas expectativas sobre o crescimento da empresa no longo prazo.

Dessa forma, já está precificando a ação da empresa como “cara”, devido aos bons resultados que ela deve apresentar no futuro. Assim como um P/L baixo pode significar que o mercado não espera que a empresa consiga manter no longo prazo os mesmos resultados que ela tem hoje.

Para lhe dar uma base de comparação, pode considerar um P/L inferior a 20 como bom, pois, acima disso, elas já estão consideradas muito caras. Contudo, tome muito cuidado com um P/L muito baixo. Um P/L inferior a 3 significa que a empresa está excessivamente barata, portanto é preciso tomar cuidado, porque, isso pode representar problemas estruturais graves na empresa.

Em casos de P/L negativos, significa que a empresa está com prejuízo nos últimos balanços, dessa forma, é muito importante também fazer a análise do histórico do P/L da empresa e, nesses casos, entender qual foi o motivo para ela ter dado prejuízo durante aquele período.

2. Lucro Líquido

Como mencionamos, não se pode utilizar o indicador P/L separadamente, pois um P/L alto ou baixo demais por si só podem representar muitas coisas. Portanto, você também precisa analisar o histórico do lucro líquido da empresa.

Um P/L alto pode ser justificado por um histórico de lucro líquido crescente ao longo dos anos. Ao olhar para o lucro líquido da empresa, analise um histórico de pelo menos 5 anos. A fim de verificar se a empresa vem apresentando resultados positivos e crescentes ao longo dos anos.

3. Preço sobre Valor Patriomonial por Ação:P/VPA

O P/VPA é um dos mais importantes dos indicadores fundamentalistas. Trata-se do preço da ação negociada na bolsa, sobre o valor patrimonial por ação. O valor patrimonial por ação é o quanto “deveria valer” cada ação da empresa. Este número é obtido pegando o valor do patrimônio líquido da empresa, que se trata basicamente da diferença entre todos os seus ativos e os seus passivos.

Com a diferença entre os ativos e os passivos da empresa, basta dividir esse valor pelo número de ações negociadas no mercado. Este será o VPA. Para exemplificar, digamos que uma empresa tem 1 milhão de reais em ativos, e 500 mil reais em passivos.

Dessa forma, a diferença entre os ativos e passivos é de 500 mil (1 milhão – 500 mil). Agora, digamos que a empresa possui 10 mil ações sendo negociadas na bolsa de valores. Portanto, o VPA (Valor Patrimonial por Ação) é de 50 reais (500.000/10.000). Assim, 50 reais seria o “preço ideal” da ação. Só que as ações dessa empresa estão sendo negociadas a 60 reais. Portanto, o P/VPA é de 1,2 (60/50).

Na teoria, um P/VPA=1 significa que a empresa está sendo negociada por um preço justo. Valores acima de 1 representam ações “caras”, enquanto que valores menores que 1 representam ações “baratas”. Contudo, este indicador também não leva em consideração o potencial de crescimento da empresa.

Dessa forma, não pode ser utilizado sozinho. Por fim, cabe ressaltar que é muito comum encontrar boas empresas com P/VPA acima de 1, pois, como elas possuem características positivas, o mercado vai precificar elas a um valor “mais caro”.

4. Margem Líquida

Trata-se do lucro líquido da empresa, sobre a receita líquida dela. Em outras palavras, é quanto sobra para a empresa depois que ela vende os seus produtos/serviços.

Quanto maior a margem líquida da empresa, melhor. Porque em cenários de poucas vendas ou crises econômicas, empresas com altas margens terão mais dinheiro em caixa para arcar com as suas despesas e se sustentar. Ela ode ser considerado uma boa margem, empresas que operam com mais de 10% de margem líquida.

5. ROE: Retorn on Equity

Return on Equity, ou então Retorno sobre o Patrimônio Líquido é um dos indicadores fundamentalistas mais famosos, este indicador fala sobre a rentabilidade da empresa. O mesmo serve para medir quanto o patrimônio líquido da empresa pode gerar de lucro líquido para o acionista.

Para calcular o ROE, basta pegar o lucro líquido da empresa e dividir pelo seu patrimônio líquido (PL). Um ROE de 20% por exemplo, significa que a cada 100 reais que os acionistas colocam na empresa, a mesma gera 20 reais de lucro, ou seja, de uma forma bem simples, a cada 100 reais investidos, a empresa transforma em 120 reais. Um ROE acima de 10% já é considerado um bom indicativo para a empresa em análise.

6. Divida Bruta sobre Patrimônio Líquido: DB/PL

O DB se trata da dívida bruta da empresa, ou seja, é o total de compromissos financeiros com quem a empresa tomou dinheiro emprestado. PL é a sigla para o patrimônio líquido de uma empresa. Como falamos anteriormente, patrimônio líquido é a diferença entre os ativos e passivos de uma empresa.

Obviamente que quanto menor a dívida de uma empresa, melhor, mas tenha em mente que é completamente comum empresas tomarem dívidas. Em muitos casos essa é a única alternativa que a mesma tem de continuar crescendo e também é possível deixar essa dívida em valores saudáveis.

Contudo, ao analisar o indicador DB/PL, é muito importante que uma empresa tenha uma dívida líquida inferior a 1. Valores acima de 1 significam que a empresa está devendo mais do que ela vale, também é importante destacar que não se deve utilizar este indicador para comparar empresas de setores diferentes. Existem setores em que é normal depender de financiamentos para que as empresas continuem crescendo, enquanto em outros setores isso não é tão necessário.

7. Dividend Yield

O DY é a relação percentual entre o que você investe na empresa e o quanto você recebe de dividendos e juros sob capital próprio, ou seja, é quanto a empresa distribui de lucros para os acionistas. Por exemplo: se uma ação está sendo negociada na bolsa de valores a 10 reais, e nos últimos 12 meses ela distribuiu 1 real de proventos por ação pra os acionistas, então o DY neste ano foi de 10%.

Portanto, quanto mais lucros a empresa distribuir aos acionistas, maior será o Dividend Yield, novamente, não se deve utilizar este indicador sozinho na hora de avaliar uma empresa. Empresas pequenas que estão em fase de crescimento precisam reinvestir a maior parte dos lucros obtidos no negócio (ou todos eles) para se sustentar e continuar crescendo.

Desse modo, se uma empresa pequena está pagando altos dividendos aos acionistas, pode significar que ela não está crescendo, de uma forma geral, empresas pequenas pagam poucos dividendos, enquanto que empresas grandes, que já estão consolidadas no mercado e não possuem uma expectativa tão grande de crescimento pagam dividendos maiores.

Conclusões

É crucial realizar uma boa análise, seja qual for o método utilizado, pois uma análise mal feita pode levar a decisões erradas. Sabemos que quando se trata de operação na bolsa de valores, decisões erradas podem incorrer em grandes perdas de dinheiro.

A análise fundamentalista é uma ferramenta muito poderosa para avaliar empresas. Se você fizer uma boa análise, pode tomar ótimas decisões que trarão altos ganhos no futuro. Da mesma forma, se fizer uma análise ruim, pode acabar perdendo dinheiro por investir de forma equivocada.

Os indicadores fundamentalistas apresentados neste conteúdo foram apenas alguns dos diversos que existem, conforme foi mencionado. Vale ressaltar que não se deve utilizá-los de forma separada, pois somente um ou dois indicadores não identificam a saúde financeira de uma empresa e o seu potencial de crescimento.

Se você gostou das dicas e quer ter acesso a conteúdos exclusivos para traders, assine a newsletter da Fast Trade.




Sobre o autor