Blog

Investidor Conservador

6 investimentos de baixo risco para apostar sem medo

Por Bruno Zago
10 março 2021 - 14:57 | Atualizado em 26 fevereiro 2021 - 19:01
6 investimentos de baixo risco para apostar sem medo

A possibilidade de perder capital diante da variação de um ativo é o que mais assusta investidores de perfil conservador ou aqueles que ainda são iniciantes. Com isso, o investimento de baixo risco é uma procura em comum nesses grupos. Você consegue bons rendimentos sem se preocupar com grandes prejuízos ao dinheiro que investiu.

Então, quem não gosta de arriscar geralmente opta por ter um capital à disposição, seja para um fundo de emergência, seja para aplicar em outros investimentos. Nesse caso, a segurança de um investimento que dificilmente lida com as possibilidades de perda é um enorme benefício.

Por isso, se você é conservador ou ainda dá seus primeiros passos nas aplicações, resolvemos ajudá-lo: confira 6 investimentos de baixo risco para aplicar sem medo!

Quando vale a pena buscar investimentos de baixo risco?

Antes de falar sobre os principais investimentos de baixo risco, é muito importante entender quando vale a pena fazer uma aplicação e buscar entender mais sobre eles. Dessa forma, é muito importante saber que eles são utilizados principalmente pelos investidores que têm o perfil conservador, mas que também são usados pelos investidores com perfil agressivo.

Seu uso, nesses perfis, varia de acordo com a porcentagem de patrimônio que é alocado nesse tipo de investimento, dessa forma, eles costumam fazer parte da maior porcentagem da carteira de investidores que possuem o perfil conservador e de uma menor parte da carteira de investidores que têm o perfil agressivo.

Já para aqueles que investem de acordo com o cenário econômico atual, analisando principalmente os fundamentos macroeconômicos não só de seu país, mas de toda a economia, essa porcentagem vai variar de acordo com o ciclo de mercado em que o investidor identificar que está ocorrendo.

Dessa forma, se estivermos na análise de um determinado investidor, entrando em uma recessão, a maior parte do capital estará em investimentos conservadores. Já se estivermos com a economia “puljante”, a maior parte do capital estará em investimentos mais arriscados.

Quais são os tipos de investimento de baixo risco?

Você quer saber quais são os investimentos de baixo risco e, assim, começar as suas aplicações neles? Então confira as 6 opções a seguir!

1. Letras de Crédito

As Letras de Crédito são títulos oferecidos por instituições financeiras, ou seja, bancos, com a proposta de capitalizar para oferecer apoio a alguns mercados, tendo como principais o imobiliário e do agronegócio. É justamente por isso que os dois investimentos mais comuns dessa categoria são a Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA).

A primeira, como o nome sugere, tem a captação voltada para o incentivo de empreendimentos e de investimentos no setor imobiliário no Brasil. Já as LCAs são direcionadas para aporte de pequenos produtores e de outros grandes comerciantes do setor agrícola nacional.

Quanto aos rendimentos, LCI e LCA tem esse percentual de ganho atrelado ao índice CDI, o que é bastante comum em investimentos de renda fixa. O investidor compra essa letra e, depois que acaba o período de aplicação, ele ganha o rendimento calculado de acordo com o CDI.

Por ter o percentual de rendimento fixado, há realmente pouquíssimos riscos nesse negócio e, além disso, existe proteção pelo Fundo Garantido de Crédito (FGC). Ele garante que investidores tenham seu capital protegido caso essas instituições financeiras tenham problemas para pagar seus credores. O FGC garante até R$250 mil de retornos nesses casos.

2. Certificado de Depósito Bancário (CDB) de liquidez diária

Os CDBs são outra ótima opção para quem busca um investimento de baixo risco com boas possibilidades de retorno. Seu funcionamento não é tão diferente das letras de crédito, no entanto, nessa opção, o capital é “emprestado” para o próprio banco. Essas instituições sempre precisam de dinheiro para financiar suas operações, por isso abrem a opção do CDB.

Nessa relação, o banco usa o valor recolhido com a oferta de CDB para garantir os custos e fornecer juros de retorno para o investidor. Esses juros são justamente o rendimento obtido nessa opção, que também são calculados diante do percentual atual do CDI.

O maior diferencial do CDB tem relação com a sua oferta de aplicações com liquidez diária, ou seja, o dinheiro de rendimento pode ser recolhido a qualquer momento. Isso garante que o investidor não fique com seu capital preso até a data do fim da aplicação. Essa vantagem é fundamental para quem busca, além de um investimento de baixo risco, ganhos e menor tempo.

Para deixar a opção ainda mais segura, o CDB também está protegido pelo FGC, assim como as Letras de Crédito, seguindo as mesmas regras de garantia.

3. Tesouro Direto

Não são só instituições financeiras que oferecem títulos interessantes, como os CDBs e as Letras de Crédito. O Tesouro Direto é uma iniciativa do Governo para estimular os investimentos por parte de pessoas com menor potencial financeiro, ou seja, cidadãos comuns. O Tesouro é uma plataforma que oferece esses títulos on-line, de maneira fácil e com um retorno fixado e seguro.

As aplicações do Tesouro Direto, no entanto, não estão protegidas pelo FGC, mas isso é algo que, apesar de trazer mais risco, geralmente não é um fator decisivo. A razão é simples: quem oferece os títulos é o Governo, que mesmo em momentos de instabilidade não permite que o pagamento aos investidores seja prejudicado.

Sendo assim, o Tesouro segue um investimento de baixo risco e com um excelente histórico de pagamentos. Nesse caso, existem duas opções que se destacam: Tesouro Selic e Tesouro IPCA+. Saiba mais sobre elas logo abaixo.

Tesouro Selic

Um dos mais populares, o Tesouro Selic começa em aplicações de R$96,366 e com liquidez diária, ou seja, o investidor recolhe seu capital e o rendimento assim que quiser. Segurança e prazo curto são as principais características dessa opção.

Tesouro IPCA+

Já o Tesouro IPCA+ é voltado para quem busca segurança, mas não tem pressa. Esse título tem seu rendimento ligado ao índice IPCA, ou seja, a inflação. A garantia de bons rendimentos é real, já que o investidor garante retorno acima de possíveis desvalorizações do Real.

4. Fundos de renda fixa

Saindo um pouco das ótimas opções de títulos, é possível ainda ter uma aplicação em investimento de baixo risco com direcionamentos variados. É o caso dos Fundos de Investimentos dedicados à renda fixa, que é naturalmente o mercado mais seguro e com menor variação.

Nessa opção, os gestores do fundo, pessoas totalmente capacitadas e com alta experiência em investimentos, aplicam o dinheiro em diversos títulos de renda fixa. A grande vantagem, nesse caso, é ter maior variedade de direcionamento do capital, ou seja, não há uma concentração em um título só. Isso representa possibilidades mais amplas e seguras de retorno.

5. Debêntures

Até aqui, com títulos, o Tesouro e os Fundos de renda fixa, citamos uma série de investimentos bastante seguros e de baixo risco. No entanto, se você já é um pouco mais experiente, ou quer diversificar ligeiramente suas aplicações e flexibilizar seu perfil conservador, é possível fazer isso sem lidar com muitos riscos. As debêntures, por incrível que pareça, são ótimas opções!

Tratam-se de títulos emitidos por empresas com a proposta de recolher capital para suas atividades. As companhias pegam empréstimos com pessoas comuns, em troca do retorno com juros. Parece arriscado? Bem, será apenas se você adquirir títulos de empresas instáveis.

Por mais que seja uma alternativa mais arriscada, a possibilidade de perda diminui consideravelmente se você adquire o título de uma gigante que está sempre estável. No fim das contas, é possível ter bons rendimentos e ainda diversificar suas aplicações.

6. Ouro

O ouro pode ser considerado um investimento conservador, pois, por ser um metal precioso, ele é muito raro de ser encontrado e seus preços se mantêm estáveis, com alguns períodos de alta e outros de baixa, mas sem grandes oscilações.

Esse ativo é muito utilizado principalmente por investidores quando há uma crise de liquidez no mercado ou até mesmo quando eles acreditam que haverá um maior período de inflação.

Afinal, por ser um metal precioso, ele não pode ser inflacionado e é uma das alternativas existentes para a proteção contra momentos mais inflacionários, que acarretam na desvalorização do dinheiro e na perda do poder de compra.

O que considerar para escolher o melhor investimento de baixo risco?

Para escolher o melhor investimento de baixo risco, você deve considerar principalmente o seu conhecimento próprio sobre aquele determinado ativo. Por exemplo, se você possui uma tese que poderá haver um momento de inflação e conhece as características do mercado de ouro, pode ser interessante investir nesse ativo.

No entanto, se você acredita que uma determinada empresa está com suas finanças saudáveis, conhece o modelo de negócios dela e sabe que, mesmo em momentos de crise, ainda há uma grande possibilidade de ela honrar suas dívidas, você pode investir em debêntures dela.

Dessa forma, mesmo em investimentos de baixo risco, é muito importante ter conhecimento sobre a classe de ativo que você vai aplicar seu dinheiro, pois quanto mais você souber, melhor vai investir.

Por fim, é muito importante também saber qual a porcentagem do seu dinheiro você quer que esteja naquela determinada classe de ativos naquele determinado período de tempo e ir “calibrando” a sua exposição de acordo com a análise de mercado que você fizer. Se preferir, pode também definir porcentagens fixas, independentemente da movimentação do mercado para alocar seu dinheiro.

Como você viu, não falta opção realmente boa de investimento de baixo risco! As 6 listadas ao longo deste conteúdo podem abrir um horizonte interessante para que você aplique em várias frentes, sempre com o pensamento de diversificar seus rendimentos, independentemente de ser um iniciante ou conservador.

Se você quer conhecer mais sobre esse e outros temas relacionados a mercado financeiro e investimentos, acesse nossa plataforma e confira outros textos no nosso blog.




Sobre o autor