Blog

Investidor Arrojado

Vale a pena investir no mercado de commodities? Venha descobrir!

Por Leonardo Reis
17 julho 2020 - 15:15

Os investidores e traders que desejam multiplicar seu patrimônio e aumentar seus rendimentos podem atingir esse objetivo aproveitando as oportunidades do mercado de commodities. Entretanto, esse tipo de ativo costuma gerar muitas dúvidas para os players iniciantes.

Se você quer se aprofundar mais no assunto, então continue lendo este artigo para saber melhor o que exatamente são as commodities, qual é o panorama desse mercado em nosso país, se vale a pena investir nesse mercado, como identificar oportunidades e mais!

O que são commodities e quais são seus tipos?

Commodities ou commodity consistem em bens que funcionam como matéria-prima, são pouco processados, podem ser estocados sem perder qualidade e são produzidos em grande escala. Veja quais são os 4 principais grupos de commodities e alguns exemplos de seus produtos:

  • agrícolas: milho, café, açúcar, soja, feijão, trigo e algodão;
  • financeiras: títulos do governo federal, real, euro e dólar;
  • minerais: ouro, gás natural, petróleo, etanol, prata e ferro;
  • ambientais: madeira, energia e água;

Por se tratarem de itens que toda a população de diferentes países necessita no seu dia a dia, as commodities são facilmente intercambiáveis e amplamente negociadas tanto no mercado doméstico como internacional.

Qual é o panorama desse mercado no Brasil?

O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de commodities do mundo. Isso ocorre pela sua grande extensão territorial e larga exploração de recursos naturais. Entretanto, não é em qualquer segmento que nosso país se destaca. Veja quais são as principais commodities e sua respectiva participação na exportação brasileira no ano 2020, conforme dados do ComexStat:

  • soja: 17% (Brasil é o segundo maior exportador do mundo, segundo a Embrapar);
  • óleos brutos: 12%;
  • minério de ferro: 9,2%;
  • óleos combustíveis: 3,8%;
  • carne bovina: 3,2%;
  • celulose: 3%;
  • carne de aves: 3%;
  • farelo de soja e farinhas de carnes: 2,7%;
  • outros produtos da indústria da transformação: 2,7%.

Quanto aos principais produtos importados, de acordo com a mesma fonte, são:

  • óleos combustíveis: 6,1%;
  • outros produtos da indústria da transformação: 4,6%;
  • estruturas flutuantes (plataformas e embarcações): 4,4%;
  • obras de metais comuns: 4,2%;
  • equipamentos de telecomunicação: 3,8%;
  • adubos ou fertilizantes químicos: 3,8%;
  • válvulas e tubos termiônicos: 3,2%.

Vale a pena ou não investir nesse segmento?

Para saber se vale a pena investir nesse mercado, é preciso conhecer quais são as suas vantagens e verificar se elas coincidem com seus objetivos.

Proteção

O investidor negocia contratos futuros para se proteger de possíveis quedas nos valores das commodities. Isso pode ser usado para minimizar riscos e eventuais prejuízos.

Alavancagem

Os players mais experientes podem operar com grandes volumes financeiros sem ter todo o dinheiro para isso, basta que ele tenha o capital necessário para cobrir a margem de garantia exigida no contrato futuro.

Diversificação

A diversificação da carteira de investimentos é uma das estratégias mais eficientes para gerenciar riscos e maximizar ganhos. Quem já negocia ações, créditos privados, ETFs e outros ativos, mas deseja ainda mais variações, pode encontrar excelentes oportunidades no mercado de commodities.

Como identificar melhores oportunidades?

Não basta simplesmente querer investir no mercado de commodities para conseguir bons rendimentos, é preciso ter determinados conhecimentos e tomar alguns cuidados. Entenda as melhores estratégias para encontrar boas oportunidades a seguir.

Considere seu perfil de investidor

Existem três tipos de perfis de investidor e conhecê-los é fundamental para que você faça os investimentos ideais para seus objetivos. São eles:

  • conservador: não está disposto a correr riscos, pouco conhecimento sobre o mercado financeiro e deseja aumentar o patrimônio com o máximo de segurança;
  • moderado: tem tolerância a riscos de longo prazo, mas também realiza investimentos mais seguros;
  • arrojado: tem amplo e aprofundado conhecimento sobre o mercado financeiro, busca lucros mais altos e faz investimentos mais arriscados.

Por exemplo, de nada adiantaria ter a maior parte carteira de investimentos formada por ativos de renda variável se o indivíduo tem um perfil conservador. Ele precisa estudar mais sobre o mercado e aprender a gerenciar riscos.

Busque uma empresa especializada

Quem não tem conhecimento aprofundado sobre commodities precisa de suporte especializado. Porém, é possível que o profissional contratado forneça orientações de interesse pessoal em vez de dar as melhores dicas para que você alcance seus objetivos.

Nesse caso, você pode usar uma plataforma de negociação que traga um feed de notícias e ferramentas de análise, permitindo que você tenha uma visão mais ampla e completa sobre os investimentos e mercados.

Acompanhe o mercado

Há muitos fatores que podem impactar o preço de diferentes commodities, como:

  • as plantações podem sofrer danos em razão de mudanças climáticas ou desastres naturais (como enchentes e incêndios);
  • ações do Governo podem refletir de forma negativa ou positiva nos setores;
  • é possível que haja um aumento da demanda de uma commodity; etc.

É importante acompanhar o mercado para verificar quais serão as mudanças nas commodities que você investe ou pretende investir. Para isso, utilize uma plataforma de negociação que disponibilize um feed de notícias completo e atualizado em tempo real.

Decida o tipo de ativo

No que diz respeito às commodities, é necessário escolher se será investido no mercado de contratos futuros ou no de opções. Os primeiros são compromissos de compra e venda sobre uma determinada quantia de ativos em um período futuro. Já as opções asseguram o direito de compra ou venda de um certo ativo por preço específico em uma data futura.

A diferença entre as duas alternativas está no fato de que, nos contratos futuros, ambas as partes negociantes assumem uma obrigação. Enquanto isso, nas opções, o comprador pode escolher quando executar o contrato.

Atente-se à volatilidade

A volatilidade dependerá do tipo de commodity e momento do mercado. Uma eventual crise econômica (nacional ou em outro país) pode aumentar ou reduzir a demanda de um determinado bem. Já as commodities financeiras variam conforme o ativo. O real é mais volátil que o dólar, de forma geral.

Como funciona o processo de compra e venda de commodities?

A negociação de commodities é feita pela Bolsa de Valores (B3), sendo necessário ter conta em uma corretora, bom conhecimento desse mercado e uma plataforma de negociação rápida, completa e versátil, como a FastTrade, disponibilizada pela Cedro Techonologies.

Para aprender mais sobre o mercado de commodities, fique atento aos portais de notícias que sejam imparciais, expliquem as mudanças nas ofertas e demandas, bem como esclareçam os reflexos das decisões governamentais – tanto do Brasil como de outros países.

Quer saber quais ativos aumentarão os seus ganhos? Leia nosso artigo que traz as 3 ações mais recomendadas para ampliar sua rentabilidade!




Sobre o autor