Blog

Investidor Arrojado

Tipos de ordem: qual a classificação na compra e venda de ativos financeiros?

Por Thiago Figueiredo
26 agosto 2021 - 10:15 | Atualizado em 03 agosto 2021 - 10:29
tipos de ordem

Se você já começou a operar no mercado financeiro ou está estudando fazê-lo, com certeza se deparou com alguns tipos de ordem que podem ser feitos no dia a dia de suas operações. No entanto, para conquistar sucesso nessa área, é fundamental que você conheça essas ordens e saiba como utilizá-las inteligentemente a seu valor.

Para melhorar suas estratégias, minimizar seus riscos e ampliar seus lucros, trouxemos este conteúdo que esclarece o que exatamente é uma ordem e, após, quais são seus principais tipos. Confira!

O que significa os tipos de ordem e por que existem?

Uma ordem é uma instrução para enviar um pedido de compra ou venda na Bolsa de Valores (B3). Na prática, o investidor envia a ordem para a corretora, banco ou plataforma de investimentos de forma remota e digital. Também é possível preparar uma ordem que será executada assim que uma determinada condição for satisfeita.

De forma geral, as diferentes ordem são classificadas em dois grupos:

  • compra: estão relacionadas à compra de um determinado ativo ou derivativo;
  • venda: é possível se desfazer de ativos e derivativos que você possui na carteira ou operar vendido.

Quais são os tipos de ordem?

Todos os tipos de ordem são de compra ou venda, mas são programados para serem executados em diferentes momentos e situações. Entenda melhor a seguir.

Limitada

Essa ordem instrui a plataforma a adquirir ou vender uma ação a um determinado preço, ou seja, estipular um preço mínimo para ordens de venda e um máximo para as de compra. Seu objetivo é dar controle sobre os pontos de entrada ou saída de ativos, o que facilita o aproveitamento de oportunidades de preços e a minimização de perdas.

A mercado

Amplamente utilizada pelos day traders, é a forma mais simples e ágil para obter seu pedido concluído. O investidor instrui a compra ou venda de ativos imediatamente pelo preço em vigor, independentemente de qual ele seja no momento.

Stop loss

Você estabelece um gatilho que venderá a ação com o objetivo de evitar perdas decorrentes da queda do preço.

Stop gain

Stop gain é uma ordem para vender um ativo quando atingir certo preço, o que evita uma possível desvalorização e danos aos lucros. É improvável que um ativo apresente valorização para sempre, sendo que você precisa aproveitar o momento que seu valor está alto e vendê-lo.

Stop móvel

Aqui você determina um certo percentual para baixo ou para cima em relação ao valor de um ativo. A execução de venda é alterada conforme a variação do preço do ativo — por isso é chamado de móvel.

Imagine que você comprou uma ação por R$ 100,00 e o seu stop loss está programado para R$ 98,00. É possível configurar de forma que o stop loss suba R$ 1,00 cada vez que o preço da ação aumentar em R$ 2,00. Assim, se o valor da ação subir para R$ 102,00, o stop loss passará a ser R$ 99,00.

Casada

Ela é composta tanto por ordens de compra como de venda, sendo que sua execução é permitida apenas quando realizada simultânea ou integralmente. O investidor pode escolher qual operação será realizada primeiro, mas a segunda será feita logo em seguida.

Para utilizar os tipos de ordem corretamente, é importante entender aspectos que podem influenciar sua decisão de compra e venda de ativos, como notícias, índices econômicos, mudanças no mercado, medidas do Governo, mudança no corpo diretivo de uma empresa, alterações na competitividade de concorrentes e mais.

Compartilhe já este material nas suas redes sociais e informe outros investidores sobre os tipos de ordem!




Sobre o autor