Blog

Investidor Arrojado

O que são fundos cambiais e como começar a investir?

Por Bruna Santos
15 julho 2020 - 18:58 | Atualizado em 17 julho 2020 - 10:35

O mercado financeiro oferece um grande leque de opções, com investimentos para todos os perfis e objetivos. Uma dessas opções está relacionada aos fundos cambiais, que são fundos de investimento cuja carteira está predominantemente em ativos ligados a moedas estrangeiras.

Isso quer dizer que eles rendem mais quanto maior for a apreciação dessas moedas em relação ao real. Antigamente, não havia fundos cambiais com investimento inicial baixo, por isso, essa era uma opção apenas para quem podia fazer aplicações de valor elevado. No entanto, o mundo mudou e, atualmente, já existem fundos cambiais bem mais acessíveis.

Neste artigo, vamos ver com mais detalhes o que são fundos cambiais, como eles funcionam, quais os benefícios e riscos que oferecem, para quem são indicados e como investir neles. Continue a leitura!

O que são fundos cambiais?

Fundos cambiais são fundos de investimento em que, pelo menos, 80% da carteira está aplicada em ativos atrelados a moedas estrangeiras. Os outros 20% da carteira devem ser destinados a aplicações conservadoras, como títulos de renda fixa prefixada ou pós-fixada atrelada à Selic ou ao CDI.

É importante destacar que eles não investem diretamente na moeda (dólar ou euro), mas em ativos relacionados a elas, incluindo derivativos. Isso quer dizer que os fundos cambiais podem ter diferentes níveis de risco dependendo da estratégia adotada pelo gestor do fundo. Basta olhar o histórico de rentabilidade de cada fundo que você vai ver que ela varia bastante de um para o outro.

Além disso, os fundos cambiais podem focar uma moeda só, como é o caso dos fundos cambiais de dólar ou euro, que são os mais comuns, ou uma cesta de moedas estrangeiras, que podem incluir iene, yuan, libra etc.

Vale lembrar que os fundos cambiais são fundos de investimento, de forma que tudo o que vale para um fundo de investimento, genericamente falando, também vale para o fundo cambial.

Isso quer dizer que é uma aplicação que reúne o dinheiro dos investidores, que são os cotistas, que delegam para o gestor o poder de decidir como aplicar aqueles recursos, desde que ele respeite as regras dos fundos cambiais e o que está previsto no regulamento do fundo.

Outro ponto importante é que os fundos cambiais são fundos abertos, ou seja, é possível fazer novas aplicações e resgates a qualquer momento. No entanto, é preciso checar quais são as condições de resgate, ou seja, em quanto tempo o dinheiro cai na conta do investidor depois que ele solicitar o resgate, uma vez que isso pode variar de acordo com o fundo.

Para quem os fundos cambiais são indicados?

Os fundos cambiais são indicados especialmente em duas situações. A primeira é para quem quer proteger seu poder de compra em relação a outras moedas por algum motivo específico, como no caso de uma viagem para o exterior ou para estudar fora, ou mesmo para juntar dinheiro para morar em outro país.

Nesses casos, um fundo cambial vai fazer com que o dinheiro do investidor não se desvalorize mesmo que o real se deprecie em relação a outras moedas. Além disso, pode ser simplesmente um instrumento para tentar obter ganhos com a desvalorização do real, para quem acredita que esse é o cenário que se tem pela frente.

Nesse sentido, os fundos cambiais podem ser uma opção de diversificação da parcela da sua carteira de investimentos destinada a aplicações de risco. Nesse sentido, eles podem, ao mesmo tempo, ajudar a proteger uma parte da sua carteira da variação cambial e trazer ganhos decorrentes dela.

Por isso, os fundos cambiais são indicados para investidores moderados e arrojados, que se sentem confortáveis com o mercado de renda variável, e o percentual dos investimentos a ser aplicado neles vai depender dos objetivos específicos do investidor.

Quais são os riscos dos fundos cambiais?

O principal risco dos fundos cambiais é justamente o da valorização do real. O câmbio é uma das variáveis mais difíceis de projetar, porque são muitos os fatores que os influenciam e é impossível prever todos. Turbulências políticas aqui e lá fora afetam o câmbio, assim como crises econômicas, mudanças nas políticas monetárias do Brasil e de outros países, entre muitos outros fatores.

Assim, para quem precisa proteger o dinheiro porque vai usá-lo em algum ponto no futuro para pagar uma viagem ou um curso no exterior, os fundos cambiais são muito indicados. Já para quem quer investir neles como uma forma de ganhar dinheiro com a desvalorização do real, é preciso saber que essa é uma escolha bastante arriscada, que tanto pode gerar ganhos altos quanto grandes perdas.

Além disso, como mencionamos acima, os fundos cambiais não são todos iguais e os gestores podem adotar estratégias diferentes, o que também significa que os riscos variam.

Quais são os custos e qual a tributação?

Assim como outros fundos de investimento, os fundos cambiais cobram do cotista uma taxa de administração, que serve para remunerar o gestor pelo trabalho que ele faz. Além disso, alguns fundos cambiais também podem ter taxa de performance. Essas taxas variam de acordo com o fundo e é importante que você cheque essa informação antes de tomar qualquer decisão de investimento.

Em relação à tributação, nesse caso, ela segue a tabela regressiva dos fundos de longo prazo. Isso quer dizer que, quanto mais tempo o dinheiro permanecer aplicado, menor será a alíquota de Imposto de Renda, conforme abaixo:

  • até 180 dias: 22,5%;
  • de 181 a 360 dias: 20%;
  • de 361 a 720 dias: 17,5%;
  • acima de 720 dias: 15%.

Além disso, estão sujeitos à cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) quando o dinheiro permanece aplicado por menos de 30 dias.

Como investir em fundos cambiais?

Como dissemos no começo deste texto, essa é uma aplicação que ficou bem mais acessível nos últimos anos e, hoje em dia, é possível encontrar fundos cambiais que exigem um investimento mínimo de apenas R$ 500. Os bancos e as corretoras de valores oferecem fundos cambiais a seus clientes. Por isso, basta pesquisar um pouco quais são as opções mais adequadas para o seu caso.

Não se esqueça de conferir as taxas antes de investir, assim como o histórico de rentabilidade e o nível de risco do fundo. Respeite sempre o seu perfil de investidor para que o risco total da sua carteira não fique mais alto do que o que é recomendado para você.

Agora, você já sabe o que são os fundos cambiais, para quem são indicados e os riscos e as vantagens que oferecem. Dessa forma, tem condições de decidir se essa é uma aplicação que faz sentido para você e de analisar as diferenças entre as opções que existem no mercado.

Quer ficar por dentro das notícias do mercado? Aproveite para nos seguir nas redes sociais. Estamos no Facebook, no Instagram, no YouTube e no Twitter!




Sobre o autor