Blog

Investidor Arrojado

ICB: entenda o que é e como funciona o Índice de Commodities Brasil

Por Leonardo Reis
21 agosto 2020 - 12:26
ICB

Há quanto tempo você costuma acompanhar o mercado financeiro? Se você já é um “marinheiro de longa data”, provavelmente notou que as commodities estão cada vez mais populares entre os investidores. 

Para facilitar a compreensão a respeito desse segmento da Bolsa de Valores, a B3 desenvolveu uma ferramenta que pode ser extremamente útil aos investidores: o ICB — Índice de Commodities Brasil. Quer saber mais sobre o funcionamento desse indicador? Então, acompanhe a leitura do artigo! 

O que é o Índice de Commodities Brasil? 

Para explicar o que é o Índice de Commodities Brasil, ou ICB, podemos utilizar outro indicador, bastante famoso e conhecido por todos os investidores: o Ibovespa. 

Basicamente, o Ibovespa é uma carteira teórica de ativos com as maiores negociações da Bolsa de Valores. Entretanto, nesse índice, entram apenas as ações de empresas, como Petrobrás, Vale e outras grandes companhias de capital aberto. 

Seguindo a mesma metodologia, o ICB é um índice elaborado com base em uma carteira teórica com os preços das commodities mais negociadas no mercado financeiro. Então, ao invés de considerar as cotações de ações, o ICB utiliza os preços de ativos, como o boi gordo, o café arábica e outros desse mesmo segmento. 

Quais são os objetivos do ICB? 

O ICB foi desenvolvido com a pretensão de se tornar um índice de referência (benchmark) para fundos de investimentos, investidores e administradores de carteira, que aplicam diretamente no mercado de commodities. 

Na maior parte das vezes, os benchmarks são utilizados para efeitos de comparação e avaliação do desempenho das aplicações. Sendo assim, por meio da análise do ICB, quem investe em alguma commodity pode comparar os retornos obtidos com o panorama atual desse segmento do mercado para tomar decisões mais eficazes. 

Como é feita a composição do ICB atualmente? 

Hoje em dia, qualquer commodity que tenha contrato futuro e seja negociada na Bolsa de Valores pode compor o ICB. Entretanto, desde a criação do índice, apenas quatro commodities participaram de sua composição. São elas: boi gordo, café, milho e etanol hidratado. 

Para o desenvolvimento do índice, foi estabelecido o uso de duas variáveis: a produção e a liquidez das commodities – sendo a última o item de maior relevância no cálculo do ICB. Além disso, o índice é calculado utilizando uma média de produção das commodities nos últimos cinco anos. 

Quais são as vantagens e desvantagens de se investir em commodities? 

O investimento em commodities está se expandindo graças à sua importância na engrenagem econômica. Basta refletir um pouco para entender que não há indústria que funcione sem o fornecimento das commodities. Sendo assim, essas matérias-primas sempre serão essenciais para grande parte dos processos de produção, provocando demandas contínuas sobre os produtos. 

Além disso, investidores estão buscando cada vez mais diversificação da carteira de investimentos, e o segmento das commodities pode ser uma ótima alternativa. Existem ativos que são menos voláteis a algumas ações negociadas na Bolsa. 

Entretanto, não há como negar que as commodities também fazem parte de um mercado de renda variável e não são imunes às oscilações de preço. Pode-se imaginar, mas não prever, o comportamento dos ativos a longo prazo. Excessos de produção e oferta podem refletir na queda de preços, bem como a escassez de uma commodity pode significar uma alta na cotação. É preciso, como sempre, estar bem atento a essas questões antes de tomar uma decisão definitiva sobre seus investimentos. 

Caso você já tenha refletido e decidido entrar no mercado de commodities, tenha em mente sempre considerar o ICB para balizar suas aplicações. Ele pode ajudar bastante no controle e elucidar seus próximos passos. 

Gostou do nosso artigo sobre o ICB? Então, curta agora a nossa página no Facebook e fique por dentro dos mais variados assuntos do mercado financeiro! 




Sobre o autor