Blog

Investidor Moderado

Afinal, onde investir meu dinheiro com a queda da Selic?

Por Bruna Santos
15 julho 2020 - 18:42 | Atualizado em 17 julho 2020 - 10:39

Você sabe onde investir com a queda da Selic? Com certeza, você deve ter ouvido falar da diminuição da taxa Selic, a taxa básica de juros da economia do país, que é usada no mercado interbancário quando se trata do financiamento de operações.

Em razão das políticas econômicas no país, a taxa Selic alcançou o menor valor da histórica do país, sendo de apenas 2,25% ao ano.

Como se trata de um dos principais instrumentos de política monetária do Banco Central (BC), ocorreram muitos impactos à rotina dos brasileiros, como a possibilidade de negociar financiamentos e o surgimento de mais investimentos lucrativos.

Neste conteúdo, trazemos exemplos de opções de bons investimentos para realizar quando a taxa Selic está baixa, assim como a importância de diversificar sua carteira de investimentos. Confira a leitura!

As principais opções de investimento com a queda da Selic

Basicamente, a maioria dos investimentos beneficiados com a queda da taxa é de renda variável, ou seja, aqueles cujos rendimentos podem aumentar ou diminuir a cada mês. Isso ocorre pelo fato de a Selic ser utilizada para controlar a emissão, compra e venda de títulos, o que impacta nos ganhos das alternativas de renda fixa, como os títulos bancários.

A Selic também se relaciona diretamente com a inflação do país, consistindo em um dos fenômenos que ocasionou sua baixa. Agora, veja os investimentos mais recomendados nos tópicos a seguir.

Ações

Uma ação é uma pequena parte da empresa que o investidor adquire para ganhar com os dividendos (parte dos lucros destinada aos acionistas) ou pela venda da ação – nesse último caso, o lucro vem da variação de seu preço.

Esses ativos são negociados na bolsa de valores (BOVESPA) ou no mercado de balcão (de forma direta entre as partes), e seus preços são bastante voláteis, já que são determinados pela oferta e demanda do mercado. Uma ação que muitas pessoas desejam adquirir terá um valor mais alto, por exemplo.

Como a ação pode ter seu valor multiplicado em um curto espaço de tempo, trata-se do investimento mais popular quando se trata de renda variável. Entretanto, o risco também é elevado. Mas é possível reduzir esse risco quando o investidor adquire mais conhecimento técnico sobre o assunto.

No Brasil, as ações são emitidas por empresas classificadas como Sociedades Anônimas (SA) e de capital aberto. A finalidade dessas organizações será a de captar recursos financeiros e alocá-los em projetos que viabilizem seu crescimento.

Por fim, são duas as principais estratégias utilizadas para investir em ações:

  • day trade: as ações são compradas e vendidas no mesmo dia;
  • transação comum: a aquisição em venda ocorre em um prazo maior que 24 horas.

Atualmente, há inúmeras tecnologias inovadoras que permitem investir em ações de diferentes formas, como a plataforma para aluguel de ações.

Fundos de ações

Basicamente, fundo de ações é uma carteira de ativos de renda variável que pode ser composta de ações, certificados de depósito de ações, recibos de subscrição, cotas de fundos de índices etc.

Na prática, ele funciona da seguinte forma: o investidor faz o aporte desejado no fundo e recebe rendimentos dependendo do desempenho dos ativos que compõem o portfólio. Tanto os custos como os benefícios são divididos entre os cotistas de acordo com suas proporções.

Como investir em ações exige muito conhecimento técnico, há uma equipe especializada que realiza o acompanhamento diário dos ativos que serão escolhidos. No momento de resgate das cotas, o emissor repassa o valor investido e os rendimentos, bem como desconta custos, tributos e taxas.

Fundos multimercados

Esses fundos incluem investimentos de variados tipos, como os a curto ou longo prazos, de renda fixa e variável. Eles são abertos e permitem a entrada de qualquer pessoa, mas também são fáceis de sair, bastando solicitar o resgate de valores para receber seus recursos.

Ressalta-se que é possível que os fundos multimercados se fechem para novas aplicações quando eles atingem certo patrimônio. Isso geralmente ocorre quando eles recebem uma grande quantidade de aporte e precisam expandir seus serviços para continuar operando.

Grande parte desses fundos é considerada a longo prazo, mas eles podem ser classificados como de curto prazo se atenderem a certos requisitos.

Fundos Imobiliários

Os fundos imobiliários (FIIs) consistem em um conjunto de ativos imobiliários. Eles são negociados na Bolsa de Valores e surgiram com a finalidade de tornar o investimento em imóveis mais acessível ao grande público.

Em vez de alocar centenas de milhares de reais em um único imóvel, você consegue usar menos dinheiro para investir em imóveis de maior qualidade. Pode-se ganhar com a valorização da cota ou pela distribuição dos rendimentos provenientes do aluguel dos imóveis.

Câmbio

Ao investir em câmbio, tenta-se obter lucros com a variação de determinada moeda. Assim como as ações, as moedas também têm riscos elevados em razão de sua volatilidade.

Comparando o valor do real (BRL) do dólar norte-americano (USD), por exemplo, ele saltou de R$ 3,24 para 4,04 entre fevereiro e setembro de 2018, o que se deu em razão das tensões e incertezas eleitorais da época.

ETF

ETF significa Exchange Traded Funds — ou Fundos Negociados em Bolsa, em português — e consiste em um fundo de renda variável que pode ser negociado na bolsa de valores. Trata-se de uma cesta de ativo que terá rendimento atrelado a algum índice, podendo o investidor adquirir pequenas fatias denominadas cotas.

A importância de diversificar os investimentos

Dificilmente determinado investimento se manterá sempre lucrativo, já que é possível que ocorram instabilidades políticas, crises econômicas, mudanças nas normas e taxas (como a própria queda da Selic). A diversificação dos investimentos é a estratégia mais eficaz para garantir a rentabilidade dos ativos em mudanças econômicas.

Em vez de alocar todo seu capital em apenas um investimento, pode-se mitigar os riscos ao colocar o dinheiro em ativos e fundos variados. Essa tática também é eficiente para trazer mais segurança aos investimentos de renda variável de forma geral.

Por exemplo, não há como ter certeza absoluta de que determinada ação será rentável. Entretanto, a probabilidade de ganhos é maximizada se você adquiriu ações de diferentes empresas. Outro exemplo consiste no fato de que um investimento atual poderá não ser lucrativo nos próximos meses, mas você poderá aproveitar dos que estiverem em alta no futuro com a diversificação de investimentos.

Agora que você sabe onde investir com a queda da Selic, poderá fazer a opção mais adequada para seu perfil e maximizar seus ganhos. Entretanto, será necessário montar uma carteira de investimento diversificada para assegurar seus ganhos.

Quer receber materiais como este e outras publicações diretamente no seu email? Então assine gratuitamente nossa newsletter!




Sobre o autor