HomeMercados

Voto complementar da Previdência; pacote anticrime; Neoenergia registra maior IPO do setor e mais

Por Pablo Vinicius Souza
02 julho 2019 - 10:07

A política se destaca no mercado interno desta terça-feira (2), com expectativas pela leitura do voto complementar da Previdência na Comissão Especial pelo relator e deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Ademais, o ministro da Justiça, Sergio Moro, falará em comissões a respeito das conversas vazadas com procuradores da Lava Jato.

É aguardado também a leitura do parecer do pacote anticrime pelo relator do grupo de trabalho, deputado Capitão Augusto (PL-SP).

Os mercados internacionais operam sem direção única, assimilando as incertezas nas negociações sino-americanas.

Além disso, os Estados Unidos especulam a imposição de tarifas adicionais a produtos da UE, em resposta a prejuízos causados por subsídios do bloco a aeronaves da Airbus.

Em commodities, os preços do petróleo caíram enquanto os mercados aguardam a aprovação final sobre a decisão da Opep e seus aliados de estender seu acordo de corte de produção por mais nove meses.

Os contratos futuros de petróleo recuavam 0,4%, ou 21 centavos, para US$ 58,88 às 6h31 nos Estados Unidos.

Além disso, o petróleo Brent também operava em baixa de 0,3% no mesmo período, ou 17 centavos, para US$ 64,89.

Se a extensão for confirmada, os cortes na produção podem chegar até março de 2020 no âmbito da Opep+.

Em contrapartida, o minério de ferro opera novamente com forte valorização, podendo guiar o Ibovespa.

Indicadores econômicos: IPC-S Capitais; produção industrial; condições empresariais e mais

A FGV inaugurará nossa agenda doméstica nesta terça-feira (2), com publicação do IPC-S Capitais de junho.

Em seguida, o IBGE informará o índice de produção industrial relacionado ao mês de maio.

Nos Estados Unidos, destaque para o índice de condições empresariais de Nova York, referente ao mês de junho.

Posteriormente, os dados de estoques de petróleo devem ser divulgados pelos norte-americanos.

Ao final do dia no horário de Brasília, Japão e China divulgam índices de gerente de compras (PMI).

A China revelou nesta terça-feira (2) que eliminará os limites à participação do capital estrangeiro no setor financeiro em 2020.

De acordo com o premiê Li Keqiang, porta-voz da mensagem durante o Fórum Econômico Mundial que está sendo realizado na cidade chinesa de Dalian, a abertura se dá um ano antes do programado anteriormente.

Desse modo, a potência asiática quer demonstrar a intenção de Pequim em abrir seus mercados.

Ademais, o governo chinês reduzirá os depósitos compulsórios dos bancos a fim de encorajar empréstimos a pequenos e médios negócios.

Na Zona do Euro, os preços aos produtores recuaram 0,1% na base mensal durante o mês de maio.

A variação negativa já havia sido projetada pelo mercado, de acordo com dados oficiais divulgados pela Eurostat.

Dia de eclipse

O exterior está mais calmo após a euforia vista ontem mundo afora, que apesar do clima mais pacífico pode voltar a ter um novo foco de sanções: a União Europeia. Se a queixa contra os subsídios europeus à Airbus proceder, poderemos ter novas taxações impostas por Trump. Por isso, vamos acompanhar mais um capítulo da novela de protecionismo norte-americano e como as economias e comércio mundias reagem.

Por aqui, é dia de últimos ajustes na Previdência, já que teremos a leitura da última versão do parecer na comissão especial. A leitura já havia sido adiada devido a tentativa de inclusão de servidores públicos estaduais e municipais no projeto, mas hoje o prazo se encerra. Enquanto isso, o governo segue em negociação para evitar novo atraso na votação na Câmara – e o mercado brasileiro está sensível a cada possível adiamento e demora.

Por Glenda Ferreira – Especialista em Investimentos na Levante Ideias de Investimentos

Governo prestará contas dos 200 dias de mandato, diz Planalto

A marca dos 200 dias de mandato está próxima. Ontem, Jair Bolsonaro completou seis meses, ou 180 dias, de governo.

De acordo com o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, um balanço mais amplo será apresentado em até 20 dias.

A partir dele, o governo prestará contas dos 200 dias de mandato, informou o Planalto.

Rêgo Barros classificou positivamente algumas das medidas defendidas pelo governo em toda a gestão, como a reestruturação da administração pública.

Além de ressaltar algumas das vitórias da equipe, o porta-voz destacou que outras conquistas serão descritas na prestação de contas.

O governo prestará contas nos mesmos moldes utilizados anteriormente, quando a equipe completou a marca de 100 dias de mandato.

Desse modo, algumas ações que englobam a promoção de liberdade econômica, abertura de mercado e desenvolvimento da ciência e tecnologia, bem como o combate à corrupção podem vir a ser destacados no texto.

Pode acontecer hoje leitura de voto complementar da Previdência

A Comissão Especial da reforma da Previdência pode se reunir nesta terça-feira (2) para a leitura do voto complementar do relator e deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

De acordo com o Estado de S. Paulo, junto ao voto complementar, Moreira pode aliviar as regras para os professores.

Anteriormente, o último salário estava previsto para os 60 anos, podendo cair para os 57 após muita resistência dos parlamentares

O Globo destacou que diante da dificuldade de acordo com governadores, Estados e municípios devem permanecer fora da matéria.

Além disso, o Estado de S. Paulo destacou o risco de um “apagão legislativo” após a aprovação da reforma previdenciária.

Segundo a publicação, o Planalto precisa mudar o jogo com os parlamentares que estão insatisfeitos com ataques nas redes sociais, assim como as manifestações oriundas de grupos bolsonaristas.

Após superávit comercial, governo elevou projeção de superávit do ano para US$ 56,7 bi

Ontem, o Ministério da Economia informou superávit de US$ 27,13 bilhões no primeiro semestre de 2019 da balança comercial brasileira.

A partir disso, o governo elevou projeção de superávit do ano para US$ 56,7 bilhões.

Anteriormente, o superávit era estimado em US$ 50,1 bilhões no ano. O saldo representa uma diferença entre exportações e importações.

Isso, contudo, não quer dizer que haverá melhora nas vendas externas, ressaltou o ministério da Economia.

De acordo com a publicação, a melhoria será decorrente de uma queda nas projeções de exportações e importações.

Para a Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, as exportações devem recuar 2% no ano, ante ao valor exportado no ano anterior.

A projeção se baseia no desaquecimento do comércio global, assim como a queda de preços em algumas commodities.

Em contrapartida, as importações podem cair até 1,9%. Neste caso, o recuo é atribuído à lentidão na recuperação da economia.

“A economia global terá um crescimento ainda mais baixo decorrente do enfraquecimento das relações de comércio internacional”, afirmou o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz.

“O Brasil, naturalmente, sofre consequências disso”, concluiu Ferraz, depois que o governo elevou projeção de superávit deste ano.

Parecer do pacote anticrime pode ser apresentado nesta manhã

Esta terça-feira (2) pode contar com a apresentação do parecer do pacote anticrime, que trata de organizações criminosas, crimes hediondos e corrupção, pelo relator do grupo de trabalho, deputado Capitão Augusto (PL-SP).

O documento engloba o texto concedido pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, assim como sugestões realizadas por outro grupo liderado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

“Uma série de medidas para ressocialização do preso, como progressão de pena e saídas temporárias, não poderão ser concedidas a quem pertencer a facção criminosa    “, afirmou, ressaltando mudanças na legislação que endurecem o regime para os respectivos integrantes no parecer do pacote anticrime.

Além disso, o programa aprimora as ferramentas de investigação com a criação do banco balístico.  Atualmente, o banco genético conta com, aproximadamente, 30 mil pessoas.

Com o avanço do pacote, esse banco de dados será encorpado com a inclusão de qualquer preso, informou o deputado.

A medida se assemelha ao dos Estados Unidos, que conta hoje com 12 milhões de pessoas, conforme dito pelo relator.

Se aprovado após a apresentação do parecer, o texto precisará ser analisado por uma comissão especial para só então seguir ao Plenário da Câmara.

Também hoje, Moro presta depoimentos em comissões conjuntas para justificar mensagens trocadas com procuradores da força-tarefa da operação Lava Jato.

Neonergia passa a ser listada na B3 e é bem recebida pelos investidores

A empresa Neoenergia – holding do Grupo Neoenergia – inaugurou ontem (1º) a oferta pública de ações da empresa na B3.

De acordo com a companhia, o negócio tem avaliação inicial de R$ 3,2 bilhões, podendo chegar a R$ 3,7 bilhões.

O grupo espanhol Iberdrola permanece o controlador da empresa que atua nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia, com 50% de participação.

Além disso, divide o espaço com a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ), com 32,9%.

O Banco do Brasil, por sua vez, vendeu a fatia de 9,3% que tinha da empresa.

“A saída do BB é mais um passo na evolução natural da Neoenergia”, avaliou o presidente Mario José Ruiz-Tagle Larrain.

Segundo ele, as mudanças fazem parte do processo natural de crescimento da empresa, que obteve um lucro líquido de R$ 509,7 milhões no primeiro trimestre deste ano.

Ademais, a empresa deve continuar investindo com foco em energia renováveis.

Atuante desde 1997 no mercado brasileiro, sua chegada no mercado brasileiro de ações foi bem recebida pelos investidores.

A companhia registrou o maior IPO do setor elétrico na Bolsa paulista, desde 2004, de acordo com informações da B3.

Com alta de mais de 8% no pregão de estreia, os papéis da companhia fecharam cotados a R$ 16,96.

“Aliado ao bom momento pelo qual passa o setor, os investidores gostaram de que o Banco do Brasil se desfez dos papéis (da companhia)”, avaliou Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.


Sobre o autor