HomeMercados

Votação final da Previdência, IPCA-15, OPA, fundos globais, Brexit e outros destaques

Por Bruna Santos
22 outubro 2019 - 08:59
1º pregão do ano

O Ibovespa renovou a máxima histórica após avançar aos 106 mil pontos. No pregão de hoje, grande expectativa para a sessão que pode confirmar a aprovação, em definitivo, da reforma da Previdência, no Plenário do Senado, após a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) votar as últimas emendas apresentadas à PEC.

Além disso, o Ministério da Economia concluiu que o Orçamento impositivo, instituído pelas emendas constitucionais 100 e 102, só passará a valer a partir do próximo ano.

Para o ex-presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, o Brasil convergiu para um patamar de inflação e juros mais baixos.

“Os juros menores vieram para ficar” disse ele em sua primeira entrevista desde que deixou o cargo. Na véspera, o Boletim Focus do Banco Central indicou que a previsão para a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, desta vez passou de 3,28% para 3,26% em 2019.

Essa foi a 11ª vez seguida que instituições financeiras reduziram a respectiva projeção.

O presidente Jair Bolsonaro participa da turnê de dez dias pela Ásia e Oriente Médio buscar por novos investimentos e, nesta terça-feira (22), participa da cerimônia de entronização do novo imperador do Japão.

Há informações de que ele tenha sugerido ao seu filho, Eduardo, que abra mão da embaixada nos EUA a fim de tentar “pacificar o partido”, que conta com novos desdobramentos.

Eduardo assumiu a liderança da sigla na Câmara dos Deputados. Entre suas medidas imediatas, ele destituiu 12 vice-líderes da legenda.

No exterior os mercados operam em meio ao início do debate de três dias no Parlamento britânico, marcado para discutir o Brexit.

Outro destaque é a guerra comercial EUA e China, que vive um momento relativamente amistoso às vésperas de novembro, quando ambos podem assinar a fase um do acordo.

No cenário externo, o clima é de que um pequeno acordo entre EUA e China será alcançado no início de novembro. Trump afirmou ontem que está “indo muito bem” e Liu He, foi no mesmo sentido, que há um “progresso substancial”. Após tantas idas e vindas, as falas não chegam a empolgar, mas já ajudam retirando o viés negativo.

Por aqui, a Caixa anunciou ontem que vai antecipar, em até três meses, a liberação dos saques de 500 reais de cada conta que o trabalhador possui no FGTS. Anteriormente, o prazo seria até o início de março, mas agora os trabalhadores receberão até o dia 18 de dezembro – é para ser o empurrãozinho final na economia.

Já a novela do PSL tem um novo capítulo: o deputado federal Eduardo Bolsonaro assumiu a liderança do partido na Câmara. Ao que tudo indica, não haverá contaminação na agenda de reformas, que conta com uma etapa importante hoje. É esperada a votação em segundo turno no Senado ainda hoje, sendo que as emendas começam a ser analisadas a partir de amanhã na CCJ.

Por Glenda Ferreira – Especialista em Investimentos na Levante Ideias de Investimentos

IPCA-15 de outubro; arrecadação de tributos federais; manufatura do Fed e outros indicadores

Hoje sai o IPCA-15 de outubro, com expectativa de alta de 2,67% na inflação em uma comparação anual.

A estimativa é da Bloomberg, baseado nos 3,22% medidos anteriormente. Na base mensal, a variação deve ser singela e se aproximar de zero (0,03%).

Ainda nesta manhã, a Receita Federal publica o resultado da arrecadação de tributos federais e contribuições previdenciárias referentes a setembro.

Conforme pesquisas realizadas pela Bloomberg, o consenso estima arrecadação de R$ 118,13 bilhões, ante resultado anterior de R$ 119,95 bilhões.

Nos Estados Unidos, saem os números da pesquisa de manufatura do Fed de Richmond para outubro, bem como os dados de setembro de vendas de imóveis existentes.

Leilão da oferta pública de aquisição de ações (OPA) da Eletropaulo ocorrerá em novembro

O leilão da oferta pública de aquisição de ações (OPA) da Eletropaulo (ELPL3) (atual EnelSP) acontecerá em 21 de novembro.

De acordo com a distribuidora, essa oferta será realizada pela Enel Brasil, controladora indireta da empresa e tem como propósito cancelar o registro de companhia aberta na categoria “A”, que permite a emissão de ações, mas também a conversão para a categoria “B”, o que deve permitir a redução de custos relevantes e a simplificação da estrutura organizacional.

Em junho, a Enel que adquiriu o controle da distribuidora em junho de 2018, por R$ 5,5 bilhões, ou R$ 45,22 por papel, protocolou o pedido de OPA para cancelamento do registro de companhia aberta da controlada.

Atualmente, apenas 8.133.352 ações ordinárias estão em circulação no mercado, isto é, 4,056% do capital social da companhia.

De acordo com o Valor Econômico, a Enel Brasil pagará por essa fatia remanescente um valor equivalente ao da oferta de aquisição realizada em 4 de junho de 2018, mas atualizado desde o dia 7 até a data da liquidação da operação pela variação da Selic, conforme o edital publicado pela companhia na véspera.

O preço final será divulgado ao mercado pelo menos três dias antes do leilão de oferta.

Esse leilão também representa “uma oportunidade de liquidez aos acionistas minoritários da companhia para alienar suas ações pelo mesmo preço da OPA para aquisição de controle”, segundo a própria companhia.

Fundos globais reduzem exposição ao Brasil, sinalizou o BTG Pactual

Um levantamento do BTG Pactual (BPAC11), incluindo cálculos da consultoria EPFR, indica que os fundos globais dos mais variados tipos continuam reduzindo a sua exposição ao Brasil.

Com a primeira saída líquida em quatro anos, o país tem contraído diante de outros mercados nas carteiras de investimento.

De acordo com a publicação, esses recursos foram extraídos por fundos dedicados a mercados emergentes, fundos mútuos globais, fundos dedicados aos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e fundos alocados apenas em América Latina.

Até 17 de outubro, 8,3% do total de recursos dos fundos dedicados a mercados emergentes está em ações brasileiras.

Conforme os dados do BTG, essa participação está bem abaixo dos patamares de 2009, quando esse tipo de fundo encerrou o ano com 16,7% das suas carteiras alocado a Brasil.

Desse modo, a China ganhou espaço e hoje ocupa 27,1% nos portfólios, contra uma participação de 15,3% há dez anos.

Assim, o estudo indica um fluxo negativo em US$ 1,02 bilhão em 2019, até agosto, para ações brasileiras.

Nos anos anteriores, os fundos internacionais aplicaram US$ 1,94 bilhão (2018), US$ 9,48 bilhões (2017) e US$ 2,10 bilhões (2016).

Em 2015, no entanto, foram retirados US$ 3,73 bilhões da renda variável local.

Por outro lado, os fundos dedicados exclusivamente ao Brasil registraram uma entrada de US$ 568 milhões no ano até agosto.

Ainda assim, o mercado brasileiro de ações segue, entre os emergentes, como um dos de maior participação nas carteiras globais, ficando atrás apenas da China (27,1%), Índia (9,2%), Coreia do Sul (9,1%) e Taiwan (10,2%).

Em contrapartida, supera a África de Sul (5,2%), Rússia (5,6%), México (2,7%), Turquia (1,2%) e Indonésia (2,9%).

Braskem avalia emissão de até US$ 3 bi em debêntures

A Braskem (BRKM3, BRKM5 e BRKM6) tem avaliado a emissão de debêntures junto a gestores de fundos de crédito brasileiro.

Segundo o Valor Econômico, o plano é levantar entre US$ 2,5 bilhões e US$ 3 bilhões em operações de dívida.

Desse montante, desde que haja demanda, parte seria levantada no mercado brasileiro, outra no internacional, conforme fontes ouvidas pelo jornal.

No cenário local, uma taxa levada à discussão com os investidores seria de CDI mais 1,1% ao ano de remuneração.

Lá fora, havia um impedimento para que a empresa operasse essa emissão, mas deixou de existir no último dia 17.

Na ocasião, a companhia entregou o formulário 20-F para a SEC, conhecido como o regulador do mercado americano.

Com esse montante, a Braskem conseguiria realizar o reperfilamento da sua dívida.

Procurada pelo Valor, a Braskem explicou: ter reuniões com potenciais investidores faz parte da agenda de sua área de relações.

Além disso, caso a companhia opere a emissão de debêntures, “realizará todos os procedimentos necessários para tal”.

Ao mercado e investidores, a Braskem informou que a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) findou a suspensão de negociações divulgados em 13 de maio de 2019.

Conforme a NYSE, as negociações das American Depositary Shares (“ADSs”) da Braskem serão retomadas, sob o código (ticker) “BAK”.

Carrefour Brasil reporta alta de 8,9% nas vendas do 3º tri

O Carrefour Brasil (CRFB3) reportou alta de, aproximadamente, 9% nas vendas brutas do 3T19 sobre o mesmo período de 2018.

Com isso, o montante contabilizou R$ 14,44 bilhões em desempenho impulsionado pela divisão de atacarejo, mas também pela forte alta percebida no faturamento dos supermercados do grupo, conforme comunicado.

A companhia, controladora das bandeiras Atacadão (atacarejo) e Carrefour, reportou ainda um crescimento de 3,8% nas vendas mesmas lojas entre julho ao fim de setembro.

Entre os destaques está a expansão de 8,8% no indicador dos supermercados, embora o “cenário ainda bastante desafiador”.

No quesito vendas online, o crescimento foi de quase 50% (44,2%), para R$ 449 milhões.

Por fim, a divulgação completa dos resultados trimestrais do grupo Carrefour Brasil está prevista para o dia 6 de novembro, após o fechamento o mercado e teleconferência no dia seguinte (7).


Sobre o autor