EmpresasHome

Via Varejo tem crescimento de 5,2% em 2018, mas sem crescimento nas lojas existentes

Por Eloiza Amaral
20 fevereiro 2019 - 11:53
Via Varejo (VVAR3) – Negociação com o Grupo Pão de Açúcar

A Via Varejo, empresa controladora da Casas Bahia, Ponto Frio e Extra, divulgou hoje dados do balanço do quarto trimestre de 2018. O patamar atingido foi o de maior receita da história da companhia, atingindo uma receita bruta consolidada de R$30,6 bilhões, com crescimento de 5,2% frente ao ano anterior.

Em relação ao lucro líquido, a companhia teve prejuízo de R$279 milhões no 4T18, ante lucro de R$111 milhões no ano anterior. Tal resultado, apesar do crescimento das vendas, foi impactado pela menor margem bruta no período e outras despesas operacionais, resultante da reestruturação realizada na empresa.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

No trimestre, as vendas das lojas já existentes anteriormente não apresentaram crescimento em comparação ao 4T17. No ano, o crescimento das vendas destas lojas foi de 3,6%. No trimestre, a receita bruta das lojas físicas cresceu 1,7% contra o mesmo período em 2017, resultante da abertura de 89 novas lojas no ano. Em 2018, quando consideradas todas as lojas, a receita bruta cresceu 4,6%.

Baixe o e-book: Desvendando o swing trade: tudo o que você precisa saber!

A margem bruta encerrou o ano em 27,1%, 454bps menor que no trimestre de 2017, de acordo com a Via Varejo isso ocorreu em função de um período sazonal mais competitivo e a menor penetração de produtos rentáveis como o CDC e serviços, além disso também houve a implementação das novas ferramentas, tanto nas lojas quanto no online.

O EBITDA ajustado atingiu R$275 milhões contra R$ 615 milhões no 4T17, representando ajuste de 3,7%. No ano de 2018, o EBITDA ajustado da Via Varejo atingiu R$1.236 milhões com margem de 4,6%.

Baixe o e-book: Guia completo para investimento em renda fixa

Outras despesas e receitas operacionais atingiram R$438 milhões no período em função do processo de reestruturação que a companhia está envolvida.

‘’Além do profundo processo de transformação que passamos em 2018, o ano foi marcado por eventos macroeconômicos que influenciaram negativamente o padrão de consumo da população (greve dos caminhoneiros, copa do mundo e eleição) e, consequentemente, a Via Varejo dentro de seu processo de transformação.’’ explicou a empresa em nota.

Baixe o Infográfico: 5 motivos – Por Que Investir na Bolsa Agora É Um Bom Negócio

Às 11h38, do horário de Brasília, as ações da Via Varejo (VVAR3) estavam sendo negociadas com queda de 2,27% a R$5,16. Como os lucros não foram grandes, e em alguns casos não houve nenhum, os traders se mantém receosos à companhia, que não mostrou tantos pontos atrativos à investimentos.


Sobre o autor