Mercados

Trump não descarta restringir voos do Brasil

Por Bruna Santos
20 maio 2020 - 08:30 | Atualizado em 20 maio 2020 - 08:32
CARLOS BARRIA

O presidente dos EUA, Donald Trump, não descartou a hipótese de restringir voos do Brasil, diante da ascensão do país no ranking de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus. Segundo dados oficiais do Ministério da Saúde na véspera (19), a Covid-19 matou mais 1.179 pessoas no Brasil em 24 horas.

De acordo com a Agência Estado, esse alastramento da Covid-19 tem preocupado o presidente. “Não desejamos que pessoas venham aqui e infectem outras pessoas. Não quero pessoas doentes lá também. O Brasil está tendo problemas, sem dúvida”, disse ele.

Essa não foi a primeira vez que sugeriu o veto de voos do Brasil com o propósito de conter a disseminação da doença nos EUA.

Trump ainda relacionou o rápido aumento no número de casos local com a testagem massiva da população, e que, segundo ele, “há certo mérito nisso”. “Temos um número alto porque é resultado do trabalho e eficiência dos vários profissionais envolvidos”, argumentou.

Hidroxicloroquina

Após revelar que tem tomado a hidroxicloroquina de modo preventivo, Trump foi questionado sobre a eficácia médico-científica em pacientes do coronavírus. Além de ser “uma droga muito barata”, Trump argumentou que os números são incríveis”.

“Houve um estudo falso feito com pessoas muito doentes, pessoas que estavam prontas para morrer. Todos eram velhos e com problemas diversos, como diabetes e problemas cardíacos. Ótimos estudos vieram da Itália, França, Espanha e também daqui”, informou.

“Ela é aprovada há cerca de 70 anos, e aparentemente é bem segura, em especial para a linha de frente [no combate ao novo coronavírus]”.

Por fim, no Brasil, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, assinará na manhã desta quarta-feira (20) um novo “protocolo” que ampliará as diretrizes de utilização da cloroquina, inclusive na fase inicial de contágio da Covid-19, segundo informou o Estadão.


Sobre o autor