EmpresasHome

TIM manifesta interesse em ativos da concorrente Oi

Por Pablo Vinicius Souza
29 outubro 2019 - 18:59

A empresa de telefonia TIM (TIMP3) confirmou hoje interesse na compra de ativos da rival Oi (OIBR3), caso sejam ofertados.

“Sendo o presidente-executivo de uma operadora de capital aberto, tenho o dever de verificar se isso cria valor para meus acionistas, assim que frequências ou backhauls são disponibilizados“, disse o presidente-executivo da TIM, Pietro Labriola a repórteres na Futurecom, evento da área de telecomunicações nesta terça-feira (29).

Hoje, a Tim ocupa a terceira posição entre as maiores operadoras de telefonia móvel do Brasil.

Caso a compra da operação móvel da Oi se concretize, a cobertura da Tim será expandida, bem como sua participação de mercado e propriedade de frequências.

Há, no entanto, outros interessados nos ativos da Oi, como por exemplo a espanhola Telefónica e a mexicana América Móvil.

No segundo caso, essa compra aconteceria por meio da subsidiária local Claro, também estão interessadas, de acordo com a Reuters.

Para o vice-presidente de operações da Oi, Rodrigo Abreu, essa possibilidade existe, desde que a operadora receba ofertas atraentes.

Após as especulações, os ativos da TIM (TIMP3) encerraram a sessão desta terça-feira (29) em queda (-1,04%), cotados a R$ 11,45. Os papéis da Oi (OIBR3), por outro lado, valorizaram +3,33% ao final do pregão e terminaram cotados a R$ 0,93.

Por fim, a Caixa Econômica Federal anunciou hoje uma redução das taxas de juros para o crédito imobiliário com recursos da poupança.

Essa medida valerá para contratos de financiamento de imóveis atualizados pela taxa referencial (TR), conforme convocação de entrevista coletiva enviada à imprensa nesta tarde.

O detalhamento e oficialização da decisão será presidido pelo presidente da instituição monetária, Pedro Guimarães, horas antes do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciar a decisão sobre a Selic, a taxa básica de juros, hoje em 5,5% ao ano.

A previsão ampla do mercado é de um corte de 0,5 ponto percentual.


Sobre o autor