EconomiaHome

Taxa de desemprego cresce no primeiro trimestre e atinge 12,7% da população, aponta IBGE

Por Eloiza Amaral
16 maio 2019 - 13:27
C
Edilson Dantas / Agência O Globo

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

De acordo com dados do IBGE divulgados desta quinta feira (16), a desocupação no Brasil subiu 1,1% no primeiro trimestre, e passou a contabilizar 12,7% da população na comparação com o trimestre anterior.

Atualmente, o país contempla 13,4 milhões de desempregados, ante 12,1 milhões entre outubro e dezembro de 2018.

Os números foram significativos em 14 das 27 unidades da federação, sendo que nas demais houve estabilidade. As maiores taxas foram observadas no Amapá (20,2%), Bahia (18,3%) e Acre (18,0%), e a menores, em Santa Catarina (7,2%), Rio Grande do Sul (8,0%) e Paraná e Rondônia (ambos com 8,9%).

O IBGE apontou que de modo geral o desemprego aumentou em todas as regiões do país: Norte (de 11,7% para 13,1%), Nordeste (de 14,3% para 15,3%), Sudeste (de 12,1% para 13,2%), Sul (de 7,3% para 8,1%) e Centro-Oeste (de 8,5% para 10,8%).

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

Outros dados ainda mostraram que 5,2 milhões de desempregados procuram emprego há mais de 1 ano, uma parcela de 38,9% de todos os desocupados. Do total de pessoas na fila do desemprego, 3,3 milhões (24,8%) estão desocupados há dois anos ou mais, uma alta de 9,8% na comparação com o 1º trimestre de 2018.

“A desocupação é expressiva, a qualificação não avança e o que sustenta o mercado é o emprego por conta própria e a informalidade. Isso denúncia um diagnóstico bastante grave”, disse o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

Mais uma vez o levantamento mostrou que o desemprego continua maior entre mulheres (14,9%), jovens (44,5%) e negros (10,2%).

“A crise começou em 2014. Então, o jovem que há quatro anos entrou numa universidade e hoje com 22 anos está se formando, provavelmente nunca teve uma experiência de trabalho na sua área. É essa qualificação está se perdendo porque ele vai em busca de um emprego mais básico”, pontuou Azeredo.


Sobre o autor