Agronegócio

Soja brasileira segue forte no mercado chinês

Por Fast Trade
13 abril 2020 - 16:48 | Atualizado em 13 abril 2020 - 17:18
soja brasileira; agronegócio
Foto: Federação das Industrias do Estado do Paraná.

A soja brasileira segue em destaque no mercado chinês, tanto pela qualidade do produto cultivado, quanto pelo novo recorde de colheita obtido nesta temporada.

Embora o acordo firmado entre Estados Unidos e China estabeleça que o aumento da parceria comercial, no que tange à commodity, o Brasil continua sendo o fornecedor prioritário do gigante asiático.

Isso porque, a safra americana destinada à venda caiu de 49,67 para 48,31 milhões de toneladas, segundo informações divulgadas pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

Ao mesmo tempo, a safra de soja brasileira para exportação subiu 1,9%, totalizando 78,5 milhões de toneladas em 2020.

Nas projeções do USDA, a produção do Brasil alcançará 124,5 milhões de toneladas nesta temporada, registrando o melhor desempenho, mesmo nas áreas com problemas climáticos, como a região Sul.

No mesmo sentido, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que divulgou seu relatório na última quinta-feira, projetou uma produção de 122,1 milhões de toneladas no país, ligeiramente abaixo das estimativas americanas.

E apesar do momento de contração na economia mundial, a USDA previu uma queda de 1,9% nos estoques globais de soja, passando de 102,4 milhões para 100,4 milhões de toneladas, impulsionando os contratos futuros.

Este cenário é extremamente favorável ao Brasil, pois, há uma tendência de alta nas cotações da commodity no curto prazo e as previsões sinalizam para o aumento gradual das exportações.     

Acompanhe as últimas notícias do mercado financeiro:

Itaú Unibanco doa R$1 bilhão para o combate ao Covid-19

Ibovespa cai com decisão da Opep+ e avanço do Covid-19

Dólar opera em alta com foco no cenário político

Agenda do investidor local inclui dividendos da Raia Drogasil, CCR e Banco Nordeste


Sobre o autor