AçõesHome

Sob efeito do Fomc, Ibovespa perde mais de 1% e dólar cai a R$3,89

Por Pablo Vinicius Souza
17 dezembro 2018 - 18:53
Em um dia com menor volume de negociação, o dia será levemente negativo

Em um dia de baixo volume e bastante oscilação, o Ibovespa sentiu os efeitos da última reunião do Fomc (Federal Open Market Committee) sobre as políticas monetárias que serão adotadas nos EUA. O clima de elevação nos juros e desaceleração da economia mundial levou os investidores a agirem cautelosamente com maior aversão aos riscos. Seguindo esse mau humor, a Bolsa brasileira encerrou com desvalorização de 1,20%, a 86.399 pontos e um giro financeiro de R$17,826 bilhões.

Baixe o Infográfico: 5 motivos – Por Que Investir na Bolsa Agora É Um Bom Negócio

O dólar comercial fechou em queda 0,20%, sendo cotado a R$3,89, em um dia que alcançou a máxima de R$3,92. Visando manter a liquidez do mercado, o Banco Central vendeu integralmente o vulto de US$1 bilhão no leilão de linha com compromisso de recompra, realizado na sessão de hoje. Depois da intervenção, a divisa americana voltou a oscilar próximo de R$3,90, no patamar de referência do mercado brasileiro.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

Os contratos de juros futuros, que passaram a maior parte do dia rondando a estabilidade, seguiram no compasso do dólar e encerraram com leve queda nas taxas. A redução nos DIs de curto prazo pode ser explicada pela manutenção dos baixos níveis de inflação no país e os DIs de prazo mais longo embora sejam impactados pelo cenário positivo para emergentes, passam por alguns ajustes que limitam os avanços.

O DI com vencimento para novembro de 2019 caiu 0,15%, sendo vendido a 6,57% (6,56% no ajuste anterior), o DI para junho de 2021 desabou 1,01%, sendo comercializado a 7,86% (7,92% no ajuste anterior), o DI para dezembro de 2023 perdeu 0,44%, sendo negociado a 9,15% (9,18% no ajuste anterior) e o DI para dezembro de 2025 fechou estável, no preço de 9,62%.

As principais blue chips fecharam apurando queda, seguindo a tendência negativa do exterior. Com exceção da Vale e das siderúrgicas Usiminas e CSN, que tiveram valorização devido ao bom desempenho do minério de ferro no mercado internacional. Embraer também foi um destaque que viu suas ações subirem após sua precificação na Joint venture com a Boeing aumentar favoravelmente.

COMPANHIAS ESTATAIS

Ativo

14/1217/12

Ativo

14/1217/12
Petrobras (PETR3)-0,75%-1,06%Vale (VALE3)+0,55%+0,73%
Petrobras (PETR4)-1,33%-0,78%Embraer (EMBR3)-0,34%+2,51%
Eletrobras (ELET3)-2,32%-1,80%Banco do Brasil (BBAS3)+0,05%-0,91%
Eletrobras (ELET6)-2,50%-2,18%Cemig (CMIG4)+0,70%-2,64%

Relatório gratuito – Banco do Brasil: O gigante acordou

Relatório gratuito – Petrobras: O petróleo é nosso

SETOR BANCÁRIOSETOR SIDERÚRGICO
Ativo14/1217/12Ativo14/1217/12
Itaú Unibanco (ITUB3)-0,39%-1,91%Usiminas (USIM3)-1,69%+1,80%
Santander (SANB11)+0,18%-2,34%CSN (CSNA3)+0,11%+2,31%
Bradesco (BBDC3)-1,87%-2,04%Gerdau (GGBR4)-1,37%-0,20%

Mercado Europeu

As Bolsas de valores europeias fecharam, pela terceira sessão consecutiva, apresentando queda, como reflexo das turbulências no cenário externo. As tensões relacionadas às negociações do Brexit, a desaceleração da economia global e a divulgação dos dados mais fracos na economia chinesa foram os catalisadores para o desempenho negativo dos índices.

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou que a votação do acordo para o Brexit ocorrerá na semana do dia 14 de janeiro e que os debates sobre a proposta serão retomados no início de 2019. Depois de adiar a votação temendo uma derrota no Parlamento, a premiê correu atrás de alguns ajustes no acordo para agradar diferentes setores e conseguir o apoio dos congressistas mais céticos.

May ganhou algum tempo, mas a um alto custo

Representantes da União Europeia já sinalizaram, contudo, que não pretendem renegociar os termos anteriormente pactuados. Tal situação, somada à desaceleração do consumo na ilha britânica geraram perdas de base ampla nas ações do setor de varejo negociadas em Londres, com destaque para as companhias Ocado e Kingfisher, que recuaram mais de 4%.

Cidade

ÍndiceFechamento 14/12

Fechamento atual

Toda a EuropaStoxx 600-0,63%-1,14%
FrankfurtDAX-0,54%-0,86%
LondresFTSE 100-0,47%-1,05%
ParisCAC 40-0,88%-1,11%
MilãoFTSE Mib-0,72%-1,15%
MadriIBEX 35-0,45%-0,83%
BruxelasBEL 20-0,50%-1,57%
LisboaPSI 20-0,41%-1,52%

Relatório gratuito: 7 passos para suas finanças ficarem no azul

Maiores altas do Ibovespa:

USIM5 / R$ 9,79 / +4,37%
CIEL3 / R$ 9,45 / +3,01%
EMBR3 / R$ 21,25 / +2,51%
SMLS3 / R$ 45,00 / +2,51%
CSNA3 / R$ 9,29 / +2,31%

Maiores baixas do Ibovespa:

MRFG3 / R$ 5,57 / -3,30%
IGTA3 / R$ 38,20 / -3,00%
QUAL3 / R$ 13,64 / -2,92%
BTOW3 / R$ 36,57 / -2,74%
ITSA4 / R$ 11,85 / -2,71%


Sobre o autor