Empresas

Sinqia segue estratégia de crescer em fusões e aquisições e propõe oferta restrita

Por Fast Trade
14 setembro 2021 - 14:23 | Atualizado em 14 setembro 2021 - 16:14

A Sinqia, fornecedora de tecnologia, anunciou uma oferta restrita de ações cuja captação esperada é de R$ 400 milhões, com preço a R$23 por papel. Esse valor tem destino certo – o caixa da empresa. E sendo uma oferta 100% primária, foi disponibilizado 17,4 milhões em ações para o mercado.

+ Estratégias Long & Short: Saiba como operar!

A ideia da Sinqia utilizar os recursos vindos da oferta restrita em seu crescimento inorgânico, com projetos voltados ao nicho de aplicativos e softwares para área de finanças. Desse modo, a empresa já tem no radar transações estratégicas, o que inclui a participação em ativos específicos.

A Sinqia já lidera o segmento de aplicativos com uma participação de 6,8%. No entanto, o mercado movimenta em torno de R$ 5,8 bilhões anuais, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES).

Motivos que justificam a oferta restrita

Com o desejo de consolidar ainda mais essa posição de liderança, a Sinqia esclarece que a oferta restrita de ações está relacionada com isso e a estratégia de aquisições e fusões faz parte do processo.

Outra explicação para a restrição da oferta é no aspecto competitivo, onde o acesso da B3 ao nicho em questão, aquece ainda mais o mercado e possivelmente eleva para ambas o valuation de aquisições.

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader

Uma vez que 70% do capital da empresa se concentra em acionistas de pequeno porte, cujas posições estão individualmente em 5% – a entrada de novas ações deve aumentar este percentual. Segundo Thiago Rocha, CFO da Sinqia: “a empresa está preparada para ser o player dominante e ser protagonista da consolidação em onda que está se formando”.

Quer ficar informado de todas as novidades sobre o mercado financeiro? Então participe do Canal do Fast Trade no Telegram acessando o link: https://t.me/plataformafasttrade.

 

Leia também:

Bolsa brasileira ganha força com serviços no Brasil e inflação nos EUA; dólar sobe

Indicador de serviços avança 1,1% em julho, alta é de 5,8% em quatro meses


Sobre o autor