HomeMercados

Setor Aéreo perde mais de R$3 bilhões em valor de mercado reagindo ao avanço do coronavírus

Por Bruna Santos
06 março 2020 - 13:10 | Atualizado em 30 novembro 2020 - 18:06

O setor aéreo brasileiro já começou a sentir os impactos da propagação do coronavírus no mundo, com muitas empresas cancelando voos com origem ou destino no país.

As companhias Latam, Tap e Virgin Atlantic foram as primeiras a emitir aviso de suspensão de voos em território brasileiro, com intuito de combater a disseminação da doença.

A britânica Virgin Atlantic decidiu adiar para 5 de outubro o lançamento da rota Guarulhos-Londres, que marcaria a sua estreia no mercado brasileiro, previsto para ocorrer no final de março.

A companhia TAP Air Portugal cancelou quase mil voos entre diferentes países da Europa, como Itália, Espanha e França, e para diversos destinos dentro do Brasil.

Apenas a Latam comunicou oficialmente o cancelamento dos serviços, suspendendo até 16 de abril os 7 voos semanais que oferta entre São Paulo e Milão.

Embora as gigantes do setor Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) ainda não tenham cancelado os serviços em território nacional, só ontem, as empresas perderam R$3,53 bilhões em valor de mercado.

Negociadas na B3, as ações Azul ON desvalorizaram 14,53%, enquanto os papéis Gol ON recuaram cerca de 16,77%.

Segundo informações divulgadas pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) estimou que o setor deve contabilizar perdas de US$63 bilhões a US$113 bilhões em 2020, dependendo do nível de disseminação da doença no mundo.

Tais previsões ainda não incluem as perdas na América do Sul e África, onde os primeiros casos de contaminação começaram a aparecer só no final de fevereiro.

Agora em março, a projeção de baixa no setor mais que dobrou, principalmente, porque o Covid-19 se espalhou para mais de 80 países, fazendo vítimas fatais em quase todos os continentes.

Embora seja impossível prever os impactos do vírus a nível global, é certo que o aumento do número de infectados tende a influenciar, cada vez mais, na queda da demanda por transporte aéreo.


Sobre o autor