HomePolítica

Reforma da Previdência: Bolsonaro muda tom, faz aceno ao Congresso e lança campanha

Por Pablo Vinicius Souza
21 maio 2019 - 10:07
Estados e municípios, governo Bolsonaro

Em uma corrida contra o tempo, o presidente Bolsonaro quer aprovar 11 medidas provisórias que vencem nos próximos 15 dias.

Sua articulação, contudo, quase foi atrapalhada por ele mesmo em virtude de sua fala em evento no Rio de Janeiro.

Segundo o presidente da República, embora o Brasil “tenha tudo para crescer”, seu “grande problema” é a classe política.

A fala gerou um mal-estar, mas Bolsonaro fez um aceno positivo ao Congresso na tarde da do mesmo dia (20).

“Nós valorizamos, sim, o parlamento brasileiro, que vai ser quem vai dar palavra final nesta questão da Previdência, tão rejeitada nos últimos anos”, disse ao elogiar o Poder Legislativo.

A mudança no discurso foi feita no evento em que a campanha publicitária da reforma foi apresentada.

Ao comentar a medida, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que a campanha trabalhará para “enfrentar a mentira”.

Em seguida, pontuou o selo com a mensagem “essa é a verdade”, contida nas peças publicitárias.

Além disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou estar estar confiante no trabalho do relator da reforma da Previdência na Câmara, Samuel Moreira (PSDB-SP) e do Congresso.

“Estamos otimistas quanto ao compromisso de conseguirmos aprovar a reforma com a potência fiscal necessária para desbloquear o horizonte de investimentos no Brasil”.

Leia mais:

Saiba quais são os principais compromissos econômicos globais para esta terça-feira

Reforma tributária: projeto deve ser votado amanhã na Comissão de Constituição e de Justiça

Bolsonaro se prepara para atos pró e contra governo; ‘Brasil acima de tudo’ e ‘Direitos Já’

Contingenciamento: próximo bloqueio no Orçamento deve ser inferior a R$ 5 bilhões

Bolsonaro anistia partidos políticos de multas aplicadas pela Receita Federal

Em viagem oficial à China, Mourão busca investidores e fala de sistema fiscal e privatizações

Decreto de armas: Taurus afirma que medida libera venda de fuzil para população civil

Gol e Elliott querem que proposta da Azul por Avianca seja interrompida


Sobre o autor