HomePolítica

Presidente da comissão da Previdência questiona “prioridade” de Bolsonaro

Por Pablo Vinicius Souza
05 junho 2019 - 10:39

O presidente Jair Bolsonaro foi questionado pelo presidente da comissão especial da reforma da Previdência, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

De acordo com o parlamentar, a motivação foi a entrega da PL destinada a mudanças no Código de Trânsito.

“Enquanto estamos num Seminário sobre Reforma da Previdência ele está vindo pra Câmara apresentar PL que trata de aumentar pontos na carteira de maus motoristas”, escreveu em sua página pessoal no Twitter

Ramos questiona a noção de prioridade presidencial em meio a uma longa sabatina, dessa vez, na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados.

Na última terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou que Estados e municípios deveriam integrar a reforma da Previdência.

“É redenção para o País”, disse ele.

Segundo ele, a economia de R$ 1 trilhão prevista para a União nos próximos dez anos não aumentará com a exclusão de Estados e municípios da reforma.

“Esse é um problema político, não nosso”.

A permanência no texto, contudo, é incerta. Isso porque líderes do Congresso seguem resistentes em arcar com o ônus político.

Em função das incertezas, o Estadão destacou que prefeitos podem se deslocar até o STF para garantir a inclusão dos servidores na reforma da Previdência.

Em contrapartida, a coluna Painel da Folha apontou que o relator da Previdência, deputado Samuel Moreira, foi informado por líderes da Câmara que a insistência na inclusão dos Estados e municípios acarretaria em uma derrota.

No mesmo dia, Bolsonaro reconheceu no programa do Ratinho, a dificuldade enfrentada pelo governo para montar uma base no Congresso a fim de aprovar a proposta de reforma da Previdência.

Leia mais:

Saiba quais são os principais compromissos econômicos globais para esta quarta-feira

Governo tenta aprovar crédito suplementar nesta quarta-feira

Orçamento Impositivo contará com concessão para Estados e municípios

‘Não se pode fazer estímulos artificiais’ à economia, afirma Guedes

Investidor estrangeiro finda maio com saldo negativo no índice Bovespa da B3


Sobre o autor