Agronegócio

PIB do agronegócio cresce 24,3% em 2020; alta é recorde, diz CNA

Por Fast Trade
12 março 2021 - 07:00 | Atualizado em 12 março 2021 - 07:47
Campo-de-milho-pib-do-agronegócio
Alimento foto criado por aleksandarlittlewolf – br.freepik.com.

O PIB do agronegócio brasileiro disparou 24,31% em 2020, de acordo com o Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Assim também, o comunicado em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) indicou que a alta ante 2019 é recorde.

Conforme o Estudo Técnico, o Produto Interno Bruto do setor cresceu 2,06%, ampliando o consolidado do ano passado.

Desse modo, a participação do PIB do agronegócio no PIB total do Brasil avançou para 26,6% em ano marcado pela pandemia.

No ano imediatamente anterior, este percentual havia sido de 20,5%, indicando alta considerável apesar da crise sanitária global.

Em meio a alta de todos os segmentos da cadeia produtiva do agronegócio, o setor primário respondeu por 56,59% do total. Posteriormente, o setor de agrosserviços impactou em 20,93% na alta recorde do PIB do agronegócio em 2020.

Por sua vez, a agroindústria respondeu por 8,72%, deixando o setor de insumos com os 6,72% remanescentes.

Conforme o release da CNA, a performance do PIB do agronegócio reflete a evolução da renda real do mercado. Nesse sentido, são levadas em consideração as variações de volume, mas também de preços reais.

Agricultura

Segundo o estudo técnico, a cadeia produtiva da agricultura cresceu 24,2%, sobretudo por causa da alta de preços e produção. Vale destacar ainda a safra recorde de grãos, assim como o avanço na oferta de café, cana-de-açúcar e cacau.

Em contrapartida, os responsáveis pelo estudo destacaram que a agricultura ainda se recupera de um cenário adverso de anos que antecedem o recorde de 2020.

Só para exemplificar, a renda real da atividade dentro da porteira (ou seja, o setor primário), declinou 20% entre 2017 e 2019.

Ao mesmo tempo, a produção avançou 20%. A variação foi impactada pelo cenário desfavorável de preços. Outro fator indicado pelas instituições por meio do Comunicado Técnico foi o uso intenso de venda antecipada de grãos.

Como resultado, a maioria dos produtores não se beneficiaram da forte alta dos preços em 2020. Em paralelo, os custos de produção aumentaram, conforme a pandemia global se agravava.

Pecuária

Do mesmo modo, a cadeia produtiva da pecuária anotou um crescimento expressivo (+24,56%) no ano passado. De acordo com o Comunicado Técnico divulgado ontem (11), a alta do setor reflete a elevação dos preços das proteínas animais frente a 2019.

Ademais, o PIB do agronegócio foi impactado pela expansão da produção, bem como pelo abate de suínos e aves. A oferta de ovos e leite também foi citada pela CNA e pelo Cepea como fatores que impulsionaram a pecuária.

Na contramão, o expressivo aumento nos custos de produção reduziu os ganhos das margens dentro da porteira, assim como na agroindústria.

Veja a íntegra do Comunicado Técnico

Projeção para o PIB do agronegócio do IBGE

Por fim, o coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon, disse à Reuters na semana passada que o indicador para o PIB dentro da porteira, medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deverá voltar a crescer este ano. Assim, a instituição projetou alta de 2,5% sobre 2020.

Por fim, continue acompanhando o portal Fast Trade para mais destaques do PIB do agronegócio brasileiro.

Leia também: Braskem supera prejuízos e reporta lucro de R$846 milhões no 4T20


Sobre o autor