Mercados

Petróleo conclui pior trimestre da história com declínio de 65%

Por Fast Trade
31 março 2020 - 18:59 | Atualizado em 31 março 2020 - 18:59
fundo para combustíveis

O petróleo concluiu o pior trimestre da história nesta terça-feira (31), fechando o período com uma redução superior a 65% nos preços do barril.

Apesar do dia de alívio nas negociações, a trajetória de queda dos contratos futuros manteve a pressão sobre os investidores, sobretudo, porque as cotações estão nas mínimas dos últimos 18 anos.  

O petróleo WTI/maio subiu 6,60%, no valor de US$20,48 o barril; enquanto o petróleo Brent/maio fechou estável, na cotação de US$22,74 o barril.

Durante o pregão, os preços ensaiaram uma recuperação, depois de anotar uma forte queda na véspera, com o avanço do número de contaminados pelo coronavírus na Europa e nos Estados Unidos.

Os indicadores positivos na China indicando a retomada do crescimento econômico renovaram a esperança dos investidores quanto à eficiência das medidas de combate à pandemia.

Contudo, na avaliação do mercado ainda é cedo para acreditar que houve uma aceleração das atividades no maior importador líquido de óleo bruto do mundo.

Os investidores continuaram prevendo um cenário de recessão global da commodity, que só em 2020, anotou oscilações intensas no intervalo entre US$20 e US$70 o barril.

Segundo um relatório do centro de estudos Eurasia Group, com o colapso da demanda devido à crise sanitária do Covid-19 e o aumento da produção dos países integrantes da Opep e aliados, em poucas semanas, é certo que os estoques globais atingirão sua capacidade máxima.

Nesse contexto, é impossível prever qual será o ponto de equilíbrio dos preços do barril, visto que, o petróleo já está sendo negociado em níveis que nunca foram vistos.


Sobre o autor