Mercados

Petróleo cai mais de 3% e encerra semana de pressões elevadas

Por Fast Trade
04 setembro 2020 - 17:28 | Atualizado em 04 setembro 2020 - 18:18
Petróleo

Os temores em torno da lenta recuperação econômica e da fraca demanda por gasolina na temporada de férias de verão dos EUA derrubaram o petróleo.

Pressionados, os contratos futuros do Brent para novembro contraíram 3,19% no pregão, encerrando a sessão cotados a US$ 42,66 por barril na ICE, em Londres. Já o West Texas Intermediate (WTI) para outubro despencou quase 4% (3,86%), saindo do patamar dos US$ 40/barril (a US$ 39,77) na Nymex, Nova York.

Baixe gratuitamente: Guia do investidor iniciante

Embora operasse em alta durante a manhã, a commodity passou a cair conforme o dólar era valorizado após a divulgação do Payroll, relatório norte-americano. Conforme mostrou o documento de emprego referente a agosto, os Estados Unidos criaram 1,371 milhão de vagas de trabalho no mês passado.

Além de superar as previsões de economistas consultados pelo “Wall Street Journal”, que estimavam 1,321 milhão de vagas, o relatório mostrou uma contração de 8,4% na taxa de desemprego, resultado muito abaixo da leitura de julho (10,2%).

“As esperanças de mais estímulos estão se esgotando”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York, referente aos pacotes para apoiar a economia. “Precisamos ver a atividade econômica de volta para fazer a demanda fluir”, disse ele.

Baixa gratuitamente o relatório especial sobre os Fundos Imobiliários

Ações e demanda do petróleo

Assim como ontem, as quedas prolongadas no mercado de ações dos Estados Unidos também pressionaram o petróleo, que se manteve em queda desde o revés.

A commodity caiu até mesmo na quarta-feira (2), quando o mercado soube da queda de 9,4 milhões de bpd de petróleo nos estoques dos EUA. O resultado relacionado à semana encerrada em 28 de agosto marcou a sexta semana consecutiva de quedas, mas não apoiou os preços do petróleo.

Baixe gratuitamente: O que ninguém conta sobre os investimentos em ações

Além disso, a demanda por gasolina no país voltou a cair, enquanto os estoques de destilados médios no centro de petróleo da Ásia em Cingapura superaram a alta de nove anos.

Para o ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, a demanda global de petróleo pode cair em 9-10 milhões bpd este ano devido à pandemia.

Vale destacar, no entanto, que o corte recorde na oferta desde maio pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep+) sustentou os preços enquanto o mercado lutava para equilibrar oferta e demanda.

Contudo, em agosto, a Opep+ começou a diminuir a escala dos cortes, o que elevou a produção em quase 1 milhão de bpd.

Baixe agora: Dólar e Mini Dólar – Desvendando este mercado

Quer ficar informado de tudo o que acontece no mercado financeiro? Então participe gratuitamente do Canal do Fast Trade no Telegram através do link: https://t.me/plataformafasttrade


Sobre o autor