EconomiaHome

Mulheres receberam 20,5% menos do que os homens em 2018, diz IBGE

Por Eloiza Amaral
08 março 2019 - 11:33

Um levantamento divulgado nesta sexta feira (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que o rendimento de renda médio das mulheres em 2018 foi o equivalente a apenas 79,5% do que era recebido pelos homens. Isso atesta a disparidade salarial por gêneros.

Manual do Imposto de Renda para Investidores

Financeiramente, no ano passado, o rendimento médio das mulheres foi de R$ 2.050, enquanto os homens receberam R$ 2.579, ou seja 20,5% a mais. Comparado ao ano anterior, houve uma melhora no índice, pois o que era pago às trabalhadoras equivalia a 78,3% em relação ao sexo oposto, no entanto, ficou inferior ao observado em 2016 (80,8%).

Reforma da Previdência: O Futuro Dos Investimentos No Congresso Nacional

A pesquisa também apontou que em 2018 as mulheres trabalharam por menos horas semanalmente, desconsiderando o tempo dedicado às atividades domésticas, afinal não havia exatamente como contabilizá-las. Caso esse tempo entrasse no cálculo, levando em consideração que no Brasil na maioria dos lares as mulheres é quem são responsáveis por serviços domésticos, com certeza a diferença nos dados seria bem maior sobre as 37,9 horas, trabalhadas pelas mulheres e as 42,7 horas dos homens.

Relatório Especial: Fundos Imobiliários

O sexo feminino se destacou no grupo de integrantes das forças armadas, policiais, bombeiros e militares, onde o desempenho foi de 100,7% do rendimento masculino.  O pior resultado veio do campo das ciências e intelectuais com 64,8%.

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

A idade também foi decisiva para a análise, já que acentuava ainda mais a desigualdade. O IBGE comprovou que no último ano as mulheres de 25 a 29 anos recebiam 86,9% do rendimento homem. Na faixa etária de 30 a 39 anos, a relação recuou para 81,6% e, por fim, caiu a 74,9% entre o grupo que tinha de 40 a 49 anos.

E-book: Guia completo para investimento em renda fixa      

A participação de mulheres é maior entre trabalhadores domésticos, ocupando 95% destes cargos, seguido por professores de ensino médio com 84%, e por fim trabalhador de limpeza de interior de edifícios, escritórios, hotéis e outros estabelecimentos registrando 74,9%.

E-book: Desvendando o swing trade: tudo o que você precisa saber!       


Sobre o autor