HomePolítica

MPF pede que decreto de armas de Bolsonaro seja suspenso; derrota pode prejudicar governo

Por Pablo Vinicius Souza
16 maio 2019 - 10:23

Muito ainda se discute sobre o decreto de armas e munição.

Agora, o Ministério Público Federal (MPF) em Brasília ajuizou uma ação para solicitar a suspensão imediata e integral do mesmo.

Na ação, argumenta-se que a comercialização de armas aumentará e impactará drasticamente o número de armas em circulação no país.

Ademais, os procuradores afirmam que o decreto extrapola o poder de regulamentação privativo do Executivo e “coloca em risco a segurança pública de todos os brasileiros”.

Para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, é natural que o tema seja alvo de questionamento.

“Sempre se diz ‘tudo no Brasil acaba no Supremo Tribunal Federal’, tudo pode ser levado à discussão no Supremo, às vezes até aquilo que não devia ser… se houver alguma invalidade, caberá ao Supremo Tribunal Federal, ou eventualmente ao Congresso, fazer uma revisão”, comentou Moro, em entrevista à GloboNews na madrugada desta quinta-feira (16).

Caso o governo precise voltar atrás, pode gerar ainda mais descontentamento para os seus apoiadores.

De acordo com a Folha, a insatisfação com o Governo cresceu após uma série de derrotas no Congresso.

Leia mais:

Bolsas asiáticas fecham sem sinal único; tensão comercial traz instabilidade para índices

Mercado revisa projeções e IFI prevê déficits primários por parte do governo federal até 2025

Rodrigo Maia afirma que reforma sai, ‘mesmo com governo atrapalhando’

Convocado, Weintraub fala no plenário da Câmara sobre contingenciamento na Educação

Ministério da Economia quer acabar com o monopólio do Banco do Brasil no crédito rural

Privatização da Eletrobras fica para 2020; Copel estuda adquirir usinas eólicas da estatal

Resultados corporativos: Caixa Seguridade e Marfrig reportam lucro no primeiro trimestre

Resultados corporativos: prejuízo da Lupatech sobe e da General Shopping cai no trimestre

Resultados corporativos: Light e Restoque saem de lucro para prejuízo no 1º trimestre

Economia desacelerada impacta resultados corporativos no trimestre; lucro diminui 6%


Sobre o autor