Agronegócio

Ministério da Agricultura afirma que seca já é mais forte nesta temporada

Por Fast Trade
07 janeiro 2022 - 06:46 | Atualizado em 07 janeiro 2022 - 08:23
Agricultura
Créditos: shutterstock.com

Guilherme Bastos, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, afirma que a estiagem na região Centro-Sul já é mais intensa do que na safra passada e deve ter impactos maiores na produção de milho e soja.

 “A estiagem é bem mais forte e os impactos serão piores que no ano passado”, disse Bastos em entrevista ao Valor. O secretário afirmou, ademais, que o problema agora está mais concentrado na soja.

“As chuvas previstas para janeiro provavelmente não serão suficientes para poder atenuar essa quebra”. Bastos, porém, atenua o problema explicando que as perdas no milho podem ser compensadas com maior área do plantio nesta safra.

+ Desvendando o Swing Trade: Tudo o que você precisa saber!

No caso da soja, as boas condições das lavouras no Centro-Oeste e Matopiba podem favorecer os números. Contudo, a constante chuva que deixa os dias nublados e com pouca iluminação pode atrapalhar o desempenho nessas regiões.

 “Ainda podemos ter uma safra maior que a passada se o restante do país performar bem, pois foi plantada com muita tecnologia e está bem respaldada. É o que pode aliviar essa queda”, disse o secretário.

Monitoramento do governo e política de crédito

De acordo com Bastos, o levantamento de janeiro da Conab já não consegue acompanhar o problema. Isso se dá porque a estiagem prejudicou mais as condições das lavouras nos últimos dias.

Nesse sentido, o governo tem monitorado de perto as condições da safra. Uma comitiva com Tereza Cristina, integrantes do Banco Central e Ministério da Economia deve visitar os quatro Estados afetados pela estiagem nas próximas semanas. Além disso, reuniões diárias são feitas em Brasília.

Hoje, sexta-feira (07), por exemplo, uma equipe técnica irá se reunir com companhias de seguro rural e instituições financeiras. Dessa forma, o governo avaliará a capacidade de pagamento dos produtores e a necessidade de negociações mais amplas (principalmente dos empréstimos com juros equalizados).

+ Guia de A a Z de como se tornar um trader

Não há, porém, ainda uma decisão do governo sobre concessão de crédito emergencial ou alongamento das dívidas. O que deixa a situação melhor, contudo, é que grande parte dos produtores têm cobertura de seguro rural ou Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). 

Uma fonte do valor afirmou que acionamentos do Proagro na região noroeste do Rio Grande do Sul já atingiram a marca de cerca de R$ 600 milhões.

Quer ficar informado de todas as novidades sobre o mercado financeiro? Então participe do Canal do Fast Trade no Telegram acessando o link: https://t.me/plataformafasttrade

Ministério da Agricultura afirma que seca já é mais forte nesta temporada

Leia também:

Banco do Brasil assina acordo de prestação de serviços com a Cielo

Dólar cai 0,7% e fecha a R$ 5,67 fazendo uma sessão de realização de lucros


Sobre o autor