EconomiaHome

Mercado corta projeção para a Selic e crescimento do PIB a dois dias de decisão do Copom

Por TradersClub
17 junho 2019 - 10:40
Índice Geral de Preços

Economistas reduziram com força a projeção para a taxa básica de juros Selic neste ano e no próximo, após quase cinco meses de estabilidade, e cortaram a estimativa de crescimento econômico para 2019 para abaixo de 1% pela primeira vez – enviando um sinal claro ao Banco Central sobre a fraqueza da economia a dois dias da reunião de política monetária do colegiado.

A nova estimativa para a Selic é que ela termine este ano em 5,75%, redução de 0,75 pontos percentuais na semana, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta manhã. A projeção para 2020 também passou de 7% para 6,5% – alinhando as expectativas do mercado às dos economistas do chamado Top-5, o grupo que mais acerta as previsões.

A projeção para o crescimento do PIB neste ano caiu a 0,93%, ante 1% na semana anterior, marcando a 16ª queda seguida no indicador. Para o próximo ano também recuou, a 2,20%. Da mesma maneira, a projeção para a inflação ao consumidor medida pelo IPCA caiu de 3,89% para 3,84%, enquanto foi mantida em 4% para o próximo ano.

As mudanças mostram como os investidores estão cada vez mais céticos com o desempenho da economia brasileira, mesmo caso a Reforma da Previdência seja aprovada no Congresso antes do começo do quatro trimestre – como as apostas majoritárias no mercado esperam. O mercado, em geral, vê a reforma como um passo fundamental, mas não suficiente, para recuperar a confiança na economia.

Com o resultado da pesquisa, os juros futuros mostraram correção moderada para baixo, enxugando prêmio na esperança de que o BC, na sua decisão de quarta-feira, sinalize alguma possível mudança nos juros nos próximos meses. A Selic está na mínima histórica de 6,50%. O DI para janeiro próximo recuou 1,1 ponto-base para 6,015%, enquanto o contrato futuro do juro para janeiro de 2021 despencou 4 pontos-base para 5,95%, mínima desde que o contrato foi criado.


Sobre o autor