EmpresasHome

Lucro do BTG Pactual dispara com tesouraria e assessoria; receitas mais estáveis mancam

Por TradersClub
05 novembro 2019 - 12:00
BTG Pactual bate

BTG Pactual, o maior banco de investimento independente da América Latina, apresentou forte crescimento na rentabilidade e nos lucros num terceiro trimestre marcado por forte volatilidade nos mercados de capitais regionais e retração nos juro básicos no Brasil – o que levou a instituição a aumentar sua exposição a ativos de risco.

A receita total do BTG Pactual atingiu R$2,184 bilhões no trimestre, alta de 74% na base anual. O lucro líquido ajustado foi de R$1,073 bilhão, alta de 56,6% na base anual e acima do consenso TC de R$960 milhões. Por linha, os segmentos vistos como mais voláteis, ou com maior correlação às oscilações dos mercados de capitais, se destacaram mais do que os segmentos mais estáveis, como gestão de recursos, por exemplo. O segmento de Investment Banking teve receita recorde de R$281,3 milhões, alta de 385% em decorrência da sólida atividade de emissão de títulos e valores mobiliários. A área de tesouraria, ou Sales & Trading, mostrou alta atividade dos clientes, desempenho sólido das mesas de operações e melhora no ambiente de negócios – se traduzindo em alta de 256,9% na receita, para R$801,2 milhões.

Já na área de gestão de recursos, o total de ativos sob gestão e administração alcançou R$253,9 bilhões no trimestre, alta de 37,8% na base anual, levando a receitas de R$189,5 milhões, crescimento de 15,1%. Na gestão de fortunas, o total de ativos sob gestão fechou em R$158,3 bilhões no trimestre, avanço de 37% e fluxo de entrada trimestral recorde de R$ 8,6 bilhões. O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio alcançou 20,8% no trimestre, acima do esperado e em linha com a diretriz operacional do banco, de ROE acima de 20% no longo prazo.

A administração do banco deve discutir o balanço com investidores por volta das 11h00.


Sobre o autor