EconomiaHome

Leilão de petróleo da ANP arrecada R$ 8,9 bilhões em bônus e bate recorde

Por Eloiza Amaral
10 outubro 2019 - 15:28
Opep reduz previsão da demanda mundial de petróleo em 2019 devido tensões

Ao levar a leilão 36 blocos exploratórios de petróleo e gás nesta quinta feira (10), a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustível (ANP) arrecadou R$8,915 bilhões em bônus de assinatura.

Este foi um recorde para as recentes rodadas de concessões, que tinham como investimento mínimo previsto de R$ 1,579 bilhão para os blocos.

“Sempre achamos que seria um leilão exitoso e superamos as expectativas. Tivemos o recorde de bônus em leilão de concessões”, afirmou ao final do leilão o diretor-geral da ANP, Decio Oddone. “Sobre o leilão de hoje, nossa expectativa é de que três ou quatro plataformas sejam instaladas no litoral do Rio com produção de 100 a 150 mil barris por dia gerando R$ 100 bilhões de arrecadação nominal”.

Dos 36 blocos, apenas 12 foram leiloados. Se todos os blocos fossem leiloados pelo valor mínimo, a arrecadação de bônus seria de R$ 3,216 bilhões. As áreas vendidas ficam nas bacias sedimentares marítimas de Pernambuco-Paraíba, Jacuípe, Camamu-Almada, Campos e Santos.

O maior bônus de assinatura foi oferecido pelo consórcio formado pela Petrobras e Equinor Brasil, de R$ 4,09 bilhões. No entanto, esta não foi a vencedora.

A oferta menor foi a vencedora, de R$ 4,029 bilhões, do consórcio Total E&P, QPI e Petrobras, que conseguiu arrematar o bloco C-M-541 da Bacia de Campos, por oferecer um programa exploratório bem maior.

Nenhum bloco das bacias do litoral do Nordeste recebeu oferta. Nove blocos da bacia de Santos também não foram comprados.


Sobre o autor