Empresas

Juros sobre o capital próprio: ROMI3, DTEX3, GGBR3, ITSA4 e BRSR3

Por Fast Trade
09 dezembro 2020 - 11:30 | Atualizado em 09 dezembro 2020 - 13:44
ITSA4-proventos-dividendos-jcp

Confira o novo calendário das empresas listadas na B3 em relação a distribuição dos juros sobre o capital próprio.

Indústrias Romi (ROMI3)

Em primeiro lugar, a Indústrias Romi (ROMI3) anunciou a distribuição de R$ 73 milhões em juros sobre o capital próprio.

De acordo com o documento enviado ao mercado na terça-feira (8), o valor bruto pago por ação será de R$ 1.

Assim sendo, as ações ROMI3 passarão a ser negociadas em “ex-JCPs” a partir do dia 15 de dezembro.

Isso quer dizer que o pagamento será feito aos acionistas que estiverem posicionados no dia 14 de dezembro de 2020.

O pagamento, no entanto, está previsto para 26 de janeiro. Veja aqui o comunicado.

Baixe gratuitamente: Guia do investidor iniciante

Duratex (DTEX3)

Em segundo lugar, a Duratex (DTEX3) vai pagar R$ 0,3143821646 por ação (valor bruto) em juros sobre o capital próprio.

Quando executados os 15% de IR, o valor por ação fica em R$ 0,2672248399.

Os proventos serão distribuídos até 30 de abril de 2021, conforme mostra o comunicado emitido pela Companhia.

Por outro lado, as ações DTEX3 passarão a ser negociadas em “ex-JCPs” a partir de 11 de dezembro.

Portanto, para ter direito aos respectivos juros sobre o capital próprio, é preciso estar posicionado até amanhã, 10 de dezembro. Acesse o fato relevante da Duratex sobre os JCPs.

Baixe agora: Dólar e Mini Dólar – Desvendando este mercado

Juros sobre o capital próprio da Gerdau (GGBR3; GGBR4)

Em terceiro lugar, a siderúrgica Gerdau (GGBR3; GGBR4) pagará R$ 0,17 (valor bruto) por ação ordinária e preferencial em juros sobre o capital próprio.

Também referida como Grupo Gerdau, a produtora de aços pagará os proventos relativos ao exercício social de 2020.

Assim também, a Metalúrgica Gerdau (GOAU4) distribuirá parte dos seus lucros com os acionistas da Companhia.

O montante bruto será de R$ 0,09 por ação ordinária e preferencial, mas você pode conferir o valor líquido de ambas as empresas clicando aqui.

Ainda não há data para o pagamento dos juros sobre o capital próprio da Gerdau, nem da Metalúrgica. Por outro lado, as negociações dessas ações em Bolsa serão realizadas EX-DIREITO a partir de 22 de dezembro de 2020.

Baixe agora: Guia completo de como ter sucesso nas operações de day trade

Itaúsa (ITSA3; ITSA4)

Sob o mesmo ponto de vista – em relação aos juros sobre o capital próprio, a Itaúsa (ITSA3; ITSA4) também é destaque.

O conselho de administração da holding brasileira que controla o Banco Itaú, Duratex, Alpargatas, NTS e Itautec, bem como outros empreendimentos, aprovou a distribuição dos proventos e fixou o valor de R$ 0,10165 por ação.

De acordo com o fato relevante, os JCPs serão pagos aos acionistas até 30 de abril do próximo ano. Esse pagamento tomará como base a posição acionária final do dia 10 de dezembro, ou seja, amanhã.

Haverá também uma retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,0864025 por ação.

Baixe agora: Guia de A a Z de como se tornar um trader!

Juros sobre o capital próprio do Banrisul (BRSR3; BRSR5; BRSR6)

Por fim, o banco gaúcho Banrisul (BRSR3; BRSR5; BRSR6) comunicou a retomada dos pagamentos de juros sobre capital próprio (JCP).

Em fato relevante, a Companhia informou o pagamento de R$ 42 milhões. O pagamento é referente ao 4º trimestre de 2020.

A princípio, previsão é que o pagamento seja realizado em 28 de dezembro de 2020 pelo valor líquido de:

  • BRSR3: R$ 0,08729151 por ação ordinária;
  • BRSR5: R$ 0,08729151 por ação PNA;
  • BRSR6: R$ 0,08729151 por ação PNB.

Para ter direito aos juros sobre o capital próprio do Banrisul, é preciso estar posicionado em 10 de dezembro de 2020 (data da declaração).

Posteriormente, as ações passarão a ser negociadas como “ex-direito” aos juros intermediários a partir do dia seguinte. Veja a íntegra do fato relevante da instituição monetária.

Leia também: BRFS3: sem pagar dividendos há 5 anos, BRF voltará a distribuir os proventos


Sobre o autor