Política

Jair Bolsonaro do PSL é eleito presidente do Brasil

Por Fast Trade
28 outubro 2018 - 19:16

Com 99,97% das urnas apuradas, Jair Bolsonaro tem 55,14% dos votos válidos e Fernando Haddad tem 44,86% dos votos válidos.

Jair Bolsonaro do PSL é portanto eleito presidente do Brasil.

Entenda como vai ser o seu plano de governo em cada uma das áreas.

ECONOMIA E EMPREGO

  • Deixar para trás o comunismo e o socialismo e praticar o livre mercado.
  • Criar uma nova carteira de trabalho verde e amarela, em que o contrato individual prevaleça sobre a CLT. Os novos trabalhadores poderão optar, de forma voluntária, por um vínculo empregatício baseado na nova carteira de trabalho ou na tradicional (azul). Além disso, defende uma outra versão da CLT para o trabalhador rural. “O homem do campo não pode parar no Carnaval, sábado, domingo e feriado. A planta ali vai estragar”.
  • Não recriar a CPFM. A proposta é um recuo em relação ao que teria sido anunciado pelo economista Paulo Guedes em setembro, para uma plateia restrita. Guedes é definido por Bolsonaro como seu “Posto Ipiranga” da economia e futuro ministro da Fazenda.
  • Estabelecer uma alíquota única de 20% no Imposto de Renda — hoje, a alíquota aumenta de acordo com a renda. Isentar de imposto de renda quem ganha até 5 salários mínimos. É contra taxação de grandes fortunas e heranças e contra novas tributações a empresários.
  • Criar o Ministério da Economia, que abarcará funções hoje desempenhadas pelos Ministérios da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio. O economista Paulo Guedes seria o ministro desse “superministério”.
  • Privatizar ou extinguir cerca de 50 estatais. É contra a privatização do Banco do Brasil, da Caixa Econômica e de Furnas. Também se posicionou contra a privatização do setor de geração de energia. No caso da Petrobras, afirmou que o “miolo deve ser conservado”, mas já admitiu a privatização “se não tiver uma solução” a respeito da política de preço dos combustíveis. “Temos que ter um combustível com preço compatível”, disse.
  • Reduzir em 20% o volume da dívida pública por meio de privatizações, concessões, venda de propriedades imobiliárias da União.
  • Eliminar o déficit público primário no primeiro ano de governo e convertê-lo em superávit no segundo ano.
  • Introduzir paulatinamente o modelo de capitalização para a Previdência. Bolsonaro já declarou que “o grande problema é o serviço público. O resto é combate à fraude e descaso”.
  • Criar o Balcão Único, que centralizará todos os procedimentos para abertura e fechamento de empresas.
  • Tornar o Brasil um centro mundial de pesquisa e desenvolvimento em grafeno e nióbio.

Continue lendo a análise de governo de Bolsonaro.

Veja também:


Sobre o autor