EconomiaHome

Indicadores da semana incluem super quarta e quinta-feira, Boletim Focus e mais destaques

Por Bruna Santos
16 setembro 2019 - 10:23
Nossa agenda local de indicadores econômicos tem como destaque a divulgação da Pesquisa Mensal do Comércio de setembro do IBGE.

Nossa agenda de indicadores domésticos desta segunda-feira (16) conta com o tradicional Boletim Focus, elaborado pelo Banco Central.

Ademais, a FGV informa o Índice Geral de Preços (IGP-10), bem como o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S).

O ritmo de crescimento da produção industrial chinesa foi o menor em mais de 7 anos, com alta de 4,4% em agosto.

Esse resultado ficou aquém da previsão de analistas ouvidos pela Reuters, que projetavam alta de 5,2%.

As vendas do varejo, por sua vez, saltaram 7,5%, mas também ficou abaixo das projeções do mercado, que previam alta de 7,9%.

Os indicadores econômicos da China na semana incluem relatórios sobre produção industrial, vendas no varejo e investimento em ativos fixos.

Desse modo, será possível ao mercado investidor monitorar como a segunda maior economia do mundo tem reagido à guerra comercial.

Ao longo da semana, o indicador econômico dos Estados Unidos sinalizará também sobre a saúde do mercado imobiliário.

São aguardados os relatórios sobre a construção de casas novas, assim como as vendas de imóveis usados.

O Reino Unido deve divulgar dados sobre seu IPC, enquanto o Canadá também deve informar sobre seu IPC e vendas no varejo.

Na “super quarta-feira”, o mercado vai acompanhar as decisões do Fomc e do Comitê de Política Monetária (Copom), com expectativa por corte de juros local e nos EUA.

Posteriormente, outros bancos centrais (Reino Unido, Noruega e Suíça) promovem um novo dia de sinalizações importantes, na “super quinta-feira”.

O Banco do Japão (BoJ) deve manter as taxas inalteradas, desde que a decisão do Fed não abale os mercados.

Assim também, o Banco da Inglaterra (BoE) não deve alterar as taxas de juros.

Esse evento, no entanto, será acompanhado de perto para detectar qualquer preocupação sobre as consequências econômicas oriundas do Brexit.


Sobre o autor