EconomiaHome

Incerteza retirou R$ 40 bi em investimentos em 2018, aponta estudo

Por Eloiza Amaral
18 julho 2019 - 14:04
Monitor do PIB recua 0,4% em fevereiro, diz FGV

Um cálculo feito pela consultoria Tendências, com base no Indicador de Incerteza da Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), apontou que a incerteza com o futuro econômico do país custou quase R$ 40 bilhões em investimentos no ano passado.

A conclusão da pesquisa foi a de que se a incerteza tivesse permanecido num patamar neutro, o PIB do Brasil poderia ter sido de 1,7% no ano, resultado bem diferente do 1,1% apurado oficialmente.

Com isso, e economia poderia ter alcançado R$ 6,832 trilhões, e não R$ 6,794 trilhões em 2018. Para se ter uma noção da proporção, o montante de cerca de R$ 40 bilhões que deixaram de ser investidos é maior do que a renda destinada ao Bolsa Família, estimada em R$ 30 bilhões para este ano.

“O ano passado foi marcado por uma eleição presidencial, o que já traz alguma incerteza”, afirma o economista da Tendências e responsável pelo estudo, Lucas Silva. “Houve ainda a greve dos caminhoneiros (em maio de 2018), que mostrou que um setor pode parar toda a economia.”

Mas por que mensurar a incerteza?

Quando a incerteza aumenta, devido à falta de clareza quanto ao futuro do país, os investimentos deixam de ser feitos e acabam sendo postergados pelos investidores. Além disso, os consumidores também deixam de fazer compras, o que desacelera a economia.

O IBGE apurou que no ano passado os investimentos cresceram 4,1%. Segundo a pesquisa, sem níveis tão elevados de incerteza, o crescimento poderia ter chego a 11% no ano.

E aparentemente a situação não irá melhorar tão cedo. No último dado divulgado, o Indicador de Incerteza da Economia, medido pelo Ibre/FGV, ficou em 119,1 pontos.

“A incerteza está num patamar elevado desde 2015”, afirma o superintendente de estatísticas públicas do Ibre/FGV, Aloisio Campelo. “Nesses anos, a exceção se deu em apenas seis meses, entre os quatro últimos meses de 2017 e os primeiros dois meses de 2018”, diz


Sobre o autor