AçõesHome

Ibovespa sobe com força e ensaia recuperação; dólar fica estável a R$3,90

Por Pablo Vinicius Souza
18 dezembro 2018 - 12:15
Eleições nos EUA e cenário interno devem aumentar a volatilidade do Ibovespa

Destoando dos temores da véspera, o Ibovespa iniciou o pregão de hoje em leve alta, com o setor bancário e as companhias siderúrgicas recuperando as perdas dos últimos dias. O mercado dá sinais de preocupação com o ambiente externo, sobretudo com as decisões do Banco Central americano, Federal Reserve (Fed), que devem ocorrer na reunião desta quarta-feira (19) e a desaceleração da economia global, principalmente do mercado chinês.

Baixe o Infográfico: 5 motivos – Por Que Investir na Bolsa Agora É Um Bom Negócio

Ás 11h59 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira avançava 0,42%, a 86.765 pontos e registrava um giro financeiro de R$1,599 bilhão. O dólar comercial se fortalecia frente à maioria das moedas emergentes e, contra o real, valorizava 0,23%, sendo cotado a R$3,90, mantendo certa estabilidade. Os juros futuros realizam alguns ajustes reagindo ao Copom, mas operavam em ligeira alta.

O DI para dezembro de 2019 subia 1,21%, sendo negociado a 6,67% (6,59% no ajuste anterior), o DI para dezembro de 2022 aumentava 1,25%, sendo vendido a 8,89% (8,79% no ajuste anterior) e o DI para dezembro de 2024 avançava 0,95%, sendo comercializado a 9,54% (9,44% no ajuste anterior).

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

As blue chips apresentavam um desempenho positivo, em recuperação às perdas das sessões anteriores. Com exceção da Petrobras, que seguia em firme desvalorização, acompanhando a queda nos preços internacionais do petróleo. Em Londres, o petróleo Brent para fevereiro de 2019, caía 1,63%, sendo cotado a US$58,64 e o petróleo WTI também para fevereiro, em Nova Iorque, tinha redução de 2,17%, sendo cotado a US$49,11.

COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3) -1,07% Vale (VALE3) +1,15%
Petrobras (PETR4) -1,22% Embraer (EMBR3) +1,18%
Eletrobras (ELET3) +3,13% Banco do Brasil (BBAS3) +0,96%
Eletrobras (ELET6) +2,65% Cemig (CMIG4) +2,15%

SETOR BANCÁRIO

SETOR SIDERÚRGICO

Itaú Unibanco (ITUB3) +0,50% Usiminas (USIM3) -1,51%
Santander (SANB11) +1,74% CSN (CSNA3) -0,11%
Bradesco (BBDC3) +0,94% Gerdau (GGBR4) +1,85

Comitê de Política Monetária (Copom)

Na última reunião do Copom em 2018, os membros do comitê avaliaram que ainda existe um risco de a inflação ficar abaixo da meta. A ata, que foi divulgada na manhã de hoje, revela a decisão de manter a taxa Selic em 6,5% ao ano, pela sexta vez consecutiva. O documento ainda traz que os membros “concordam que a atual conjuntura recomenda manutenção de maior flexibilidade para condução da política monetária”, indicando que não haverá mais detalhes sobre os próximos passos.

Relatório gratuito – Banco do Brasil: O gigante acordou

Relatório gratuito – Petrobras: O petróleo é nosso

A Selic é o principal instrumento de controle da inflação e quando Copom opta por reduzir os juros básicos, está atuando para diminuir o custo do crédito e incentivar a produção e o consumo. Ao revés, quando aumenta a Selic, o objetivo principal é frear a demanda através do aumento no custo do crédito. No cenário de taxa Selic constante e taxa de câmbio em R$3,85, a previsão é que a inflação fique em torno de 3,7% e 4% em 2019 e 2020, segundo informou o Copom.

Ásia e Oceania

Os principais índices acionários da Ásia e Oceania encerraram o pregão desta terça em firme queda, refletindo os receios do mercado sobre as decisões políticas do Fed. Os investidores têm demonstrado elevado grau de incerteza sobre o desenvolvimento da economia global e, por isso, agem com cautela tentando prever de que forma a elevação dos juros nos EUA impactará a movimentação dos ativos neste cenário.

O mau humor se acentuou após as falas do presidente chinês, Xi Jinping, não demonstrarem qualquer compromisso em abrir ou incentivar a manutenção do crescimento econômico da China. No discurso para comemorar o 40º aniversário das reformas econômicas do país, Xi manifestou total apoio ao sistema multilateral de comércio e, em referência às tensões comerciais, enfatizou que “ninguém está em condições de ditar ao povo chinês o que deve ou não ser feito”.

Relatório gratuito: 7 passos para suas finanças ficarem no azul

Cidade

Índice 17/12

18/12

Sidney S&P ASX 200 +1% -1,22%
Wellington NZX 50 +0,27% -0,65%
Hong Kong Hang Seng -0,03% -1,05%
Seul Kospi +0,08% -0,43%
Tóquio Nikkei 225 +0,62% -1,82%
Mumbai Nifty 50 +0,77% +0,19%
Xangai Xangai Composto +0,16% -0,82%
Shenzhen SZSE Component -0,49% -0,82%

Sobre o autor