HomeMercados

Ibovespa sobe com aprovação da MP 870 mas exterior negativo limita os ganhos

Por Pablo Vinicius Souza
29 maio 2019 - 12:30

Descolando dos mercados internacionais, o Ibovespa avançava em atenção à aprovação do texto integral da Medida Provisória 870 (reforma administrativa) pelo senado.

A votação ocorreu na sessão de ontem e foram mantidas todas as alterações realizadas na Câmara, inclusive a parte que retira o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) da pasta da justiça.

No exterior, o clima é de grande tensão após o governo chinês anunciar que pode paralisar o comércio de terras raras em retaliação ao aumento das tarifas impostas pelos Estados Unidos.

Terras raras é uma substância química crucial para o setor tecnológico e de difícil extração. Atualmente, a China detém o controle de 80% da oferta global do produto, cuja exportação majoritária é feita aos EUA.

O fato elevou a aversão ao risco no mundo inteiro, provocando um aumento na demanda por ativos mais líquidos e seguros, embora tal clima de cautela tenha apenas limitado os ganhos por aqui.

Nesse contexto, às 12h17 (horário de Brasília), o Ibovespa subia 0,29%, aos 96.682 pontos. O giro financeiro até o momento era de R$4,987 bilhões.

Dólar recua a R$3,99 com cenário político no radar

Refletindo as tensões que se instalaram no exterior, com o agravamento da disputa comercial entre Estados Unidos e China, a divisa americana subia contra as principais moedas globais.

Em sentido contrário, às 12h17 (horário de Brasília), o dólar comercial recuava 0,80% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$3,99.

As movimentações do câmbio local reagiam ao otimismo no cenário político, sobretudo, em relação ao avanço da agenda de reformas no Congresso.

Com isso, o real destoava de seus pares emergentes, sobretudo os exportadores de commodities, e apresentava um dos melhores desempenhos em valorização.

Os contratos de juros operavam mistos, mas ainda com viés de baixa nos títulos de prazos mais longos, acompanhando a aposta dos economistas em um corte na taxa básica de juros.

O DI dezembro/2019 avançava 0,32%, sendo negociado a 6,32% (6,30% no ajuste anterior) e o DI dezembro/2025 desabava 2,89%, sendo comercializado a 8,40% (8,56% no ajuste anterior).

Noticiário Corporativo

Vale (VALE3)Segundo a Vale, há grandes chances de que o rompimento da barragem na mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, possa causar danos bem menores do que o previsto.

Segundo o diretor de operações, Marcelo Barros, se o material da barragem escorregar para dentro da cava, os impactos da ruptura serão drasticamente reduzidos.

“Há uma grande possibilidade de o talude, uma vez deslizando, se acomode dentro da cava, sem maiores consequências”, explicou o executivo.

Desde a detecção da movimentação do talude, que ocorreu no início do mês de maio, a mineradora monitora a estrutura 24 horas por dia, registrando dados e revisando projeções em tempo real.

BR Distribuidora (BRDT3)O conselho de administração da BR aprovou o nome de Rafael Grisolia, atual CEO da companhia, para compor a nova equipe de executivos.

Aos olhos do mercado, a escolha soou muito positiva e demonstra que a distribuidora está cada vez mais próxima da privatização e do desenvolvimento de uma estratégia de crescimento sustentável.

“Acreditamos que uma mudança na gestão, com nomes bem-conceituados, ajudará a liberar o valor sob o potencial processo de privatização (…)”, afirmou André Hachem, analista do Itaú BBA.

Comportamento das ações na B3

As ações de maior liquidez da Bovespa operavam mistas, entre perdas e ganhos para diferentes setores, refletindo as nuances do cenário político. Com destaque para as companhias que mais valorizavam:

COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3) -0,69% Vale (VALE3) -1,51%
Petrobras (PETR4) -1,19% Embraer (EMBR3) -1,09%
Eletrobras (ELET3) +0,63% Banco do Brasil (BBAS3) +0,59%
Eletrobras (ELET6) +0,43% Cemig (CMIG4) +1,93%

E-book: O que ninguém conta sobre os investimentos em ações

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3) +2,15% Usiminas (USIM3) +0,10%
Santander (SANB11) +2,47% CSN (CSNA3) -3,84%
Bradesco (BBDC3) +2% Gerdau (GGBR4) -1,27%


Sobre o autor