Ações

Ibovespa salta 6,5% com redução do Covid-19, mas cena política segue no radar

Por Fast Trade
06 abril 2020 - 18:49 | Atualizado em 04 janeiro 2021 - 17:40
Ibovespa salta 6,5% com redução do Covid-19, mas cena política segue no radar

O Ibovespa encerrou em expressiva alta nesta segunda-feira (06), acompanhando o otimismo devido à redução do Covid-19.

O sentimento positivo foi motivado pela desaceleração da pandemia na Europa, com Itália e Espanha registrando diminuição do número de novos casos no final de semana.

Nos Estados Unidos, embora o número de mortos tenha diminuído em relação aos últimos dias, o governo espera enfrentar a pior semana da pandemia, já que, as previsões indicam que haverá uma explosão do número de contaminados.

O presidente Donald Trump fez um discurso alertando à população sobre a dificuldade que todos vão enfrentar, enfatizando que haverá muitos mortos e será um período de grande tensão.

Mesmo assim, o dia foi de alívio, com as principais Bolsas ao redor do mundo apurando ganhos, em um movimento de recuperação.

Em Wall Street, o Dow Jones subiu 7,73%, o S&P 500 saltou 7,03% e o Nasdaq Composto avançou 7,33%.

Contexto Brasileiro  

Por aqui, o cenário político continua provocando uma onda de incertezas, após notícias informarem que o presidente Jair Bolsonaro pretendia demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

No fim da tarde, uma reportagem da Veja desmentiu os relatos, explicando que Bolsonaro havia desistido de concretizar a exoneração depois de conversar com militares ligados ao governo.

Enquanto isso, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou na última sexta a PEC 10/20 do Orçamento de Guerra, e continua com as discussões sobre os demais pacotes que vão auxiliar no combate à Covid-19.

Na B3, as companhias Localiza (RENT3), IRB Brasil (IRBR3), B2W Digital (BTOW3), Intermédica (GNDI3) e BRF (BRFS3) lideraram as perdas da sessão.

Como resultado, a Bolsa brasileira avançou 6,52% na faixa de 74.072 pontos, com um volume financeiro de R$16,543 bilhões.

Acompanhe as últimas movimentações do mercado:

Dólar fecha a R$5,29 entre alívio externo e ruídos políticos

Petróleo fecha em queda após o adiamento da reunião da Opep

CMN proíbe aos bancos pagar dividendos acima do exigido por lei

Braskem reporta prejuízo recorde de R$2,8 bilhões em 2019


Sobre o autor