HomeMercados

Ibovespa salta 2,76% e avança aos 94 mil com acordo entre governo e “Centrão”

Por Pablo Vinicius Souza
21 maio 2019 - 18:24

Operando em alta desde a abertura, o Ibovespa alcançou no pregão de hoje a sua maior alta diária desde 11 de março deste ano, quando o índice avançou 2,79%.

Com o clima positivo no exterior, o mercado ganhou impulso com as novidades do cenário político, sobretudo após o aceno de Bolsonaro ao Congresso.

Os partidos do Centrão fecharam um acordo com o governo para votar ainda nesta semana a Medida Provisória 870, que está sob risco de perder a validade e versa sobre a reforma ministerial.

Além disso, o governo conseguiu que os parlamentares colocassem em pauta outras duas MPs: a que revoga o limite de participação do capital estrangeiro em empresas aéreas nacionais e a que cria uma nova empresa estatal que substituirá a Infraero.

Os investidores ficaram animados pois a MP 870 garantirá que o poder executivo atinja a economia de despesas planejadas, já que o momento é de contingenciamento de gastos em todos as áreas.

Como resultado, a Bolsa brasileira saltou 2,76%, avançando aos 94.484 pontos, com um volume financeiro de R$13,798 bilhões.

Dólar recua a R$4,04 com alívio no exterior e cenário político

Em dia de alívio no cenário externo, o dólar comercial perdeu terreno contra as principais moedas globais, sobretudo as emergentes.

Após o governo americano anunciar a isenção temporária das restrições aplicadas à chinesa Huawei, o mercado reagiu positivamente, ainda que a guerra comercial sino-americana esteja longe de acabar.

Por aqui, o leilão de linha do Banco Central e as novidades no cenário político ditaram o ritmo das negociações no câmbio, pressionando a queda da divisa americana.

No fechamento, o dólar comercial desvalorizou 1,34%, sendo cotado a R$4,04, na mínima do dia. Com isso, o real brasileiro apresentou o melhor desempenho dentre as demais moedas.

Os contratos de juros futuros acentuaram as perdas em atenção à melhora no relacionamento entre governo e Congresso, principalmente, após a sinalização de que a MP 870 será votada antes de perder a validade.

O DI março/2020 recuou para 6,45% (6,50% no ajuste anterior), o DI setembro/2022 caiu para 7,93% (8,08% no ajuste anterior) e o DI dezembro/2025 declinou para 8,78% (8,98% no ajuste anterior).

Variações nas Commodities

Petróleo – Os contratos futuros de petróleo encerraram a sessão desta terça-feira apresentando um desempenho misto, à espera pela divulgação do relatório semanal da American Petroleum Institute (API).

A expectativa do mercado é que a mensuração indique uma redução nos estoques semanais e que os países integrantes da Opep e seus aliados permaneçam com os cortes na produção.

Segundo o economista-chefe da Spartam Capital, Peter Cardillo, a volatilidade vista hoje é o resultado da ansiedade para os próximos relatórios e havendo queda nos estoques, certamente os preços voltarão a subir.

Com isso, o petróleo WTI para entrega em junho declinou 0,17%, sendo cotado a US$62,99 o barril e o petróleo Brent para entrega em julho aumentou 0,29%, sendo cotado a US$72,18 o barril.

Noticiário Corporativo

Petrobras (PETR4) – Segundo notícia divulgada pelo Valor Econômico, a Petrobras ainda está realizando o levantamento do prejuízo decorrente do naufrágio parcial de dois módulos da plataforma P-71.

O incidente ocorreu no último final de semana, na região litoral de Santa Catarina, e ainda não foi possível confirmar o total das perdas em equipamentos sofridas pela estatal.

Com o ocorrido, as atividades nesta plataforma podem sofrer um atraso de aproximadamente doze meses para entrar em efetiva operação, gerando perdas bilionárias pela ausência de geração de caixa.

A companhia poderá ser ressarcida pela seguradora, que cobrirá os custos de danos aos módulos, avaliados em cerca de US$150 milhões, mas não indenizará as perdas por lucros cessantes.

Fleury (FLRY3) – Pensando em se consolidar como uma plataforma de saúde, que vai além da medicina diagnóstica, o Grupo Fleury vai inaugurar o seu primeiro centro de atendimento ortopédico em São Paulo.

Possibilitando a realização de tratamentos e pequenas cirurgias no mesmo dia, a companhia investiu R$30 milhões na construção desta inovadora plataforma de negócios, conforme divulgado pelo Estadão.

Movimentações na B3

As ações de maior liquidez da Bovespa encerraram em expressiva valorização, com alguns setores exponenciando os ganhos. Com destaque para as máximas registradas no dia:

  • Braskem (BRKM5) +6,81%
  • Gol (GOLL4) +7,24%
  • CSN (CNSA3) +7,93%
  • Banco do Brasil (BBAS3) +5,75%
  • Cemig (CMIG4) +5,23%
COMPANHIAS ESTATAIS
Ativo 20/05 21/05 Ativo 20/05 21/05
Petrobras (PETR3) +2,98% +2,92% Vale (VALE3) -2,05% +2,03%
Petrobras (PETR4) +4,09% +3,45% Embraer (EMBR3) +3,03% +2,04%
Eletrobras (ELET3) +5,03% +5,44% Banco do Brasil (BBAS3) +3,97% +5,75%
Eletrobras (ELET6) +3,78% +4,32% Cemig (CMIG4) +6,49% +5,23%

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Ativo 20/05 21/05 Ativo 20/05 21/05
Itaú Unibanco (ITUB3) +2,34% +3,50% Usiminas (USIM3) +0,40% +2,60%
Santander (SANB11) +2,37% +3,76% CSN (CSNA3) -0,58% +7,93%
Bradesco (BBDC3) +3,70% +4,32% Gerdau (GGBR4) +0,95% +3,77%

 

 

 


Sobre o autor