Ações

Ibovespa salta 2% com foco na vacina e suporte das blue chips

Por Fast Trade
29 junho 2020 - 18:55 | Atualizado em 30 junho 2020 - 07:00

O Ibovespa encerrou em alta nesta segunda-feira (29), com foco na vacina contra o Covid-19 e suporte das blue chips do setor bancário e da Petrobras.

Devolvendo parte das perdas contabilizadas na semana passada, o índice geral apresentou um bom desempenho, seguindo o bom humor das Bolsas norte-americanas.

Em Wall Street, o Dow Jones subiu 2,32%, o S&P 500 avançou 1,47% e o Nasdaq Composto apreciou 1,2%, apoiados pela valorização dos ativos Apple e Boing.

Da mesma forma, os investidores repercutiram positivamente o indicador dos EUA referente às vendas pendentes de imóveis, que avançou 44,3% durante o mês de maio.

Além disso, o mercado ficou em êxtase com a notícia de que o grupo farmacêutico China National Biotec Group (CNBG) obteve bons resultados com uma vacina experimental.

Segundo a companhia, as 1.120 pessoas que receberam uma dose da vacina desenvolvida conseguiram produzir anticorpos contra o coronavírus.

Também na China, o lucro das empresas industriais avançou 6% em maio na comparação anual, sinalizando uma melhora na atividade local.

Apesar disso, nos primeiros meses de 2020, o lucro da indústria chinesa caiu 19,3% em relação a 2019, conforme dados do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS).

Essa vertente otimista ignorou o avanço do coronavírus no mundo e a ameaça de uma segunda onda de contágio em diversos países que já estavam reabrindo a economia.

Nesse sentido, os estados americanos do Texas, Arizona, Califórnia e Flórida voltaram com as medidas de isolamento social, visando conter a propagação da doença.

Assim também agiram as autoridades de Pequim, que determinaram o isolamento de quase meio milhão de pessoas, visando frear um novo surto.

Ao todo, o Covid-19 já infectou mais de 10 milhões de pessoas no mundo e levou a óbito outras 502 mil, fora os casos de subnotificação.

Coronavírus no Brasil, adiamento das eleições e movimentos no mercado acionário

No Brasil, o cenário também é crítico em relação ao coronavírus, com muitas cidades registrando o aumento acelerado do número de novos casos.

Até o momento, o país registrou 1.345.254 pessoas infectadas e 57.658 morreram vítimas da doença, com a divulgação de recordes sucessivos.

Enquanto isso, no noticiário político, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, está tentando negociar a aprovação do adiamento das eleições municipais.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Maia estaria costurando um acordo para obter maioria pela votação da PEC que transfere as eleições para os dias 15 e 29 de novembro.

Nesse contexto, a moeda de troca seria a recomposição do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e a inserção de peças partidárias em rádio e TV.

Na B3, ficou em destaque a valorização das ações da Petrobras (PETR3/ PETR4), que seguiram a alta dos preços do petróleo, e os ganhos das ações dos bancos, após as quedas da semana passada.

As companhias BRF (BRFS3), Tim (TIMP3), Klabin (KLBN11), CSN (CSNA3) e Rumo (RAIL3) lideraram as perdas do dia.

Em contrapartida, as empresas Embraer (EMBR3), Via Varejo (VVAR3), IRB Brasil (IRBR3), Cyrela (CYRE3) anotaram as máximas.

Como resultado, a Bolsa brasileira saltou 2,03% na faixa de 95.735 pontos, com um volume financeiro de R$17,314 bilhões.

Ibovespa salta 2% com foco na vacina e suporte das blue chips

Fique por dentro das últimas novidades do mercado financeiro:

Dólar cai a R$5,42 com agenda econômica e exterior positivo

Petróleo sobe com dados econômicos positivos, apesar dos receios sobre Covid-19

Taurus Armas (TASA4) recua após resultado do 1º trimestre


Sobre o autor