HomeMercados

Ibovespa opera em queda com declarações de Powell e atos contra a reforma da Previdência

Por Pablo Vinicius Souza
02 maio 2019 - 12:15
Ibovespa futuro cai

No pregão da volta do feriado, o Ibovespa operava em queda desde a abertura repercutindo o exterior negativo e as turbulências no cenário político. Ontem, enquanto a B3 permaneceu fechada, o Banco Central americano, Federal Reserve, anunciou sua decisão sobre a política monetária do país.

Ao contrário do que o mercado esperava, as declarações do presidente do Fed, Jerome Powell, jogaram por terra todas as chances de um eventual corte na taxa de juros nos EUA. Os índices em geral reagiram negativamente, uma vez que esta ação diminui a atratividade dos ativos de risco no resto do mundo.

No cenário nacional, o dia 1º de maio foi marcado por diversas manifestações e atos contra a reforma da Previdência proposta pelo governo de Bolsonaro, contando a participação da população e das principais centrais sindicais do país.

Paulinho da Força, o presidente do partido Solidariedade, afirmou que todas as siglas do chamado “centrão” estão trabalhando para desidratar ao máximo as regras da proposta, visando reduzir a economia projetada em pelo menos à metade.

Nesse contexto, às 12h08 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira recuava 0,83%, aos 95.518 pontos, registrando um giro financeiro de R$3,237 bilhões.

As ações de maior liquidez da Bovespa operavam majoritariamente em queda, com alguns setores acentuando perdas. Com destaque para as mínimas registradas até o momento:

  • Eletrobras (ELET6) -2,83%
  • CSN (CSNA3) -2,82%
  • Natura (NATU3) -3,22%
  • Cyrela (CYRE3) -2,92%
  • B2W Digital (BTOW3) -2,72%
COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3) -1,34% Vale (VALE3) -2,14%
Petrobras (PETR4) -1,66% Embraer (EMBR3) -0,05%
Eletrobras (ELET3) -2,57% Banco do Brasil (BBAS3) +0,08%
Eletrobras (ELET6) -2,83% Cemig (CMIG4) -0,68%

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3) +0,26% Usiminas (USIM3) -0,76%
Santander (SANB11) +0,33% CSN (CSNA3) -2,82%
Bradesco (BBDC3) -0,13% Gerdau (GGBR4) -1,06%

Dólar sobe a R$3,96 com ajuste no câmbio e reação ao Fed

Em sessão de ajuste técnico no câmbio, o dólar comercial valorizava 1,17% contra o real brasileiro às 12h08 (horário de Brasília). A divisa americana operava na cotação de R$3,96, se fortalecendo contra as principais moedas dos países exportadores de commodities, sobretudo os emergentes.

A queda nos preços do petróleo devido ao aumento nos estoques do produto e o anúncio neutro do Federal Reserve são os principais catalisadores do desempenho dólar, que demonstrou viés de alta desde a abertura.

Os contratos de juros futuros acompanhavam o movimento do câmbio, apresentando aumento nas taxas em todos os períodos. Por aqui, os investidores de renda fixa seguiam atentos aos desdobramentos da reforma da Previdência, que agora segue em tramitação na Comissão Especial.

O DI com vencimento para junho/2019 subia 0,05%, com negociação a 6,42% (6,41% no ajuste anterior) e o DI para dezembro/2021 valorizava 0,77%, sendo comercializado a 7,83% (7,78% no ajuste anterior).

Noticiário Corporativo

Vale – O Ministério Público de Minas Gerais ajuizou na última terça-feira uma ação civil pública contra a Vale, exigindo a reparação integral de todos os prejuízos socioeconômicos causados pelo rompimento da barragem de Brumadinho/MG.

Nos autos da ação, está sendo solicitado que a companhia seja obrigada a apresentar garantias financeiras no montante de R$50 bilhões para assegurar o cumprimento de todas as medidas. Além disso, há uma determinação para a mineradora indenizar antecipadamente cada atingido em cerca de R$30 mil.

Conforme análise da XP, este ajuizamento pode ser parte de uma estratégia do Ministério Público para pressionar um acordo maior, tendo em vista a importância da Vale para a economia nacional. Porém, ainda há muitas negociações pela frente até a decisão final e, certamente, a companhia recorrerá.


Sobre o autor