HomeMercados

Ibovespa opera em alta com indicadores na China e valorização do minério

Por Bruna Santos
02 setembro 2019 - 12:43
Ibovespa futuro sobe nesta terça-feira

O pregão desta segunda-feira (02) começou volátil, com o Ibovespa reagindo à divulgação dos indicadores econômicos na China e à valorização do minério de ferro no mercado internacional.

No final de semana, o IHS Markit publicou o Índice de Gerente de Compras (PMI) do setor industrial chinês, revelando um aumento para 50,4 pontos em agosto.

Uma leitura acima de 50 demonstra expansão das atividades, o que também pode ser comprovado analisando a pontuação de 49,9 registrada em julho.

O fato impulsionou as cotações do minério de ferro, que no Porto de Qingdao avançaram 6,99%, fechando na cotação de US$90,58 a tonelada do tipo 62% puro.

Em consequência, as ações das siderúrgicas Vale (VALE3), CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM3/ USIM5) subiam, apoiando o bom desempenho do índice geral.

Também no radar dos investidores, as tarifas impostas por Estados Unidos e China entraram em vigor, elevando o preço dos produtos importados uns dos outros.

O gigante asiático passou a taxar entre 5% e 10% o petróleo e a soja americanos, enquanto os EUA aplicaram tarifas de 15% a diferentes classes de mercadorias chinesas, como calçados, relógios, televisores, etc.

Embora os dois países tenham seguido adiante com a ofensiva tarifária, o presidente Donald Trump afirmou que as negociações do acordo comercial serão retomadas ao longo do mês de setembro.

Por aqui, o mercado segue monitorando a agenda política do Congresso, com a votação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) prevista para ocorrer até o final da semana.

O dia também promete ser de baixa liquidez em função do feriado do Dia do Trabalhador nos EUA, que deixou os índices em Wall Street sem operações.

 Nesse contexto, às 12h24 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira tinha leve alta de 0,14%, aos 101.275 pontos, anotando um volume financeiro de R$2,371 bilhões.

Dólar sobe a R$4,15 em sinal de cautela com o ambiente externo

O dólar iniciou o mês de setembro operando em alta contra as principais divisas emergentes, demonstrando sinal de cautela em relação às incertezas globais.

Em dia de feriado que deixou fechados os mercados norte-americanos, as atenções se concentravam nos desdobramentos da guerra comercial, com uma nova rodada de imposições de tarifas mútuas.

Washington passou a taxar em 15% diferentes tipos de bens de consumo importados da China, ao passo que Pequim também aplicou tarifas de 5% a 10% na compra de petróleo e soja dos EUA.

Apesar das turbulências externas, o setor industrial chinês registrou expansão no mês de agosto, mostrando que a política de estímulos adotada pelo governo está surtindo efeito.

A notícia trouxe ânimo aos investidores, porém, o clima ainda é de receio no câmbio, com a crise na Argentina alimentando preocupações.

O governo de Maurício Macri anunciou na noite de ontem, uma medida estabelecendo um limite individual para a compra de capitais, as transferências para o exterior e demais transações em dólares, visando estabilizar o peso e estancar a fuga de divisas.

Ás 12h24 (horário de Brasília), o dólar comercial avançava 0,46% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$4,1580 na venda.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros apresentavam aumento nas taxas ao longo da curva, seguindo o viés de alta gerado pela maior aversão ao risco.

O DI abril/2020 subia 0,09%, sendo negociado a 5,35% (5,33% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2024 tinha alta de 0,58%, sendo vendido a 6,94% (6,90% no ajuste anterior).

Noticiário Corporativo

Natura (NATU3) – O Conselho de Administração da Natura realizará, no dia 17 de setembro, uma assembleia geral extraordinária para discutir a proposta sobre um aumento de capital no valor de R$1,242 bilhão.

Com este ajuste, o novo capital social da companhia totalizará R$R$1,711 bilhão, que se dará através de bonificação em ações, utilizando parte do saldo da conta de Reserva de Lucros.

Segundo a empresa de cosméticos, serão emitidas 432.571.228 ações ordinárias, nominativas, sem valor nominal, que serão atribuídas aos acionistas, a título de remuneração, na proporção de 1 nova ação para cada ação ordinária já subscrita na data da assembleia.

Itaú Unibanco (ITUB4) – O Itaú Unibanco informou que obteve a autorização do Banco Central e do CADE para a conclusão da parceria com a Edenred, que atua no mercado de benefícios dos trabalhadores.

O banco também comunicou que a subscrição de 11% do capital da Ticket Serviços e a respectiva liquidação financeira da operação ocorreram dia 30 de agosto de 2019.

A companhia Edenred é a controladora da Ticket Serviços S/A, e com essa aquisição, o Itaú passa a integrar esse ramo, visando a criação de valor de longo prazo para os acionistas.


Sobre o autor