HomeMercados

Ibovespa fecha em leve alta com setor bancário e avança 1% no mês de abril

Por Pablo Vinicius Souza
30 abril 2019 - 18:31
saldo positivo do Ibovespa

No mês em que a reforma da Previdência foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o Ibovespa conseguiu avançar 0,98%. Para os próximos dias, a expectativa é de valorização dos ativos locais, acompanhando a tramitação da proposta agora na Comissão Especial.

Na sessão de hoje, em meio à baixa liquidez, o índice geral foi fortemente afetado pela volatilidade e pelo mau humor do cenário externo. Os investidores adotaram maior cautela na expectativa pela decisão de política monetária do Banco Central americano, Federal Reserve, que será divulgada amanhã.

Manual do Imposto de Renda para Investidores

No final da tarde, o bom desempenho setor bancário impulsionou as negociações e o Ibovespa mudou de direção, conseguindo fechar o último pregão do mês em território positivo.

Como resultado, a Bolsa brasileira registrou leve alta de 0,17%, aos 96.353 pontos, apurando um volume financeiro de R$10,468 bilhões.

As ações de maior liquidez da Bovespa encerraram entre perdas e ganhos para diferentes setores. Com destaque para as companhias que mais valorizaram:

  • Rumo (RAIL3) +3,02%
  • Eletrobras (ELET3) +2,21%
  • Cyrela (CYRE3) +3,25%
  • Magazine Luiza (MGLU3) +6,64%
  • Petrobras BR (BRDT3) +4,14%
COMPANHIAS ESTATAIS
Ativo 29/04 30/04 Ativo 29/04 30/04
Petrobras (PETR3) -0,63% -0,69% Vale (VALE3) -0,52% -0,48%
Petrobras (PETR4) +0,26% -0,95% Embraer (EMBR3) +1,51% +0,15%
Eletrobras (ELET3) -0,60% +2,21% Banco do Brasil (BBAS3) 00% +0,24%
Eletrobras (ELET6) -0,14% +1,08% Cemig (CMIG4) -0,69% +1,87%

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Ativo 29/04 30/04 Ativo 29/04 30/04
Itaú Unibanco (ITUB3) +0,14% 00% Usiminas (USIM3) +1,04% -0,75%
Santander (SANB11) -0,24% -2,18% CSN (CSNA3) -2,43% -0,35%
Bradesco (BBDC3) -0,45% 00% Gerdau (GGBR4) +0,07% -1,39%

Dólar recua a R$3,92 mas acumula alta pelo terceiro mês consecutivo

O dólar comercial fechou em queda de 0,48% contra o real, mas acumulou alta de 0,19% em abril, avançando pelo terceiro mês consecutivo. No encerramento, a cotação da divisa americana ficou em R$3,92 na venda, depois de ter alcançado R$3,95 na máxima do dia.

Os contratos de juros futuros fecharam o mês praticamente estáveis, com o clima de cautela pesando sobre as incertezas quanto à aprovação da reforma da Previdência, uma vez que o processo enfrentou dificuldades já na fase inicial de tramitação na CCJ.

A sessão foi de oscilações contidas e baixa liquidez devido ao feriado de comemoração ao dia do trabalhador (1º de maio) amanhã, no qual a B3 permanecerá sem operações.

O DI com vencimento para agosto/2019 fechou estável, sendo vendido a 6,44%, o DI para junho/2021 recuou para 7,49% (7,52% no ajuste anterior) e o DI para março/2024 desabou para 8,50% (8,63% no ajuste anterior).

Cotação das Commodities

Petróleo – Os contratos futuros de petróleo encerraram a sessão de hoje com aumento nos preços em atenção às falas do ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, que se comprometeu a reduzir ainda mais a produção da commodity no país até o final de maio.

O petróleo WTI para entrega em junho avançou 0,64%, com cotação a US$63,91 o barril vendido em Nova Iorque e o petróleo Brent para entrega em julho subiu 0,73%, com cotação a US$72,06 o barril comercializado em Londres.

Destaques no mercado brasileiro

Usiminas – Em uma revisão de projeções, o Credit Suisse rebaixou a recomendação da Usiminas de outperform para neutra, avaliando as ações da companhia no preço-alvo de R$9,50.

Santander – O Santander Brasil divulgou os resultados do primeiro trimestre do ano apurando um lucro líquido gerencial de R$3,485 bilhões, o que representa um crescimento de 21,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo dados divulgados pela matriz na Espanha, a filial brasileira se destacou contribuindo com 29% do desempenho de todo o grupo bancário. Além disso, os números mostraram a capacidade da empresa de gerar resultados sólidos recorrentes, podendo superar as projeções de 2019.

 

 

 


Sobre o autor