HomeMercados

Ibovespa fecha em alta renovando a máxima histórica com anúncio “dovish” do Fed

Por Pablo Vinicius Souza
30 outubro 2019 - 18:42
saldo positivo do Ibovespa

Depois de passar a maior parte do dia em queda, o Ibovespa virou para alta após a decisão do Federal Reserve e renovou sua máxima histórica de fechamento nesta quarta-feira (30).

O mercado como um todo, reagiu muito bem ao anúncio mais dovish do Banco Central americano (Fed), de que irá reduzir em 0,25% a taxa básica de juros, para o intervalo entre 1,50% e 1,75%.

O presidente da instituição, Jerome Powell, discursou afirmando que as diretrizes de política monetária devem se manter apropriadas e que somente um aumento expressivo nos níveis de inflação poderá ensejar a elevação das taxas.

As falas do chairman geraram a expectativa de que o ambiente de flexibilização das taxas se estenderá por um longo período, tendo em vista que a inflação nos EUA tem se apresentado abaixo do centro da meta.

Ao longo da sessão, os investidores também repercutiram os dados prévios referentes ao Produto Interno Bruto (PIB) americano e ao desempenho do setor privado na geração de empregos.

O PIB dos EUA teve um crescimento de 1,9% de julho a setembro, superando as projeções de alta em apenas 1,6% e, no mês de outubro, houve a criação de 125 mil novos postos de trabalho, ante a previsão de 110 mil novas vagas.

Por aqui, o noticiário político ganhou destaque, com a citação do presidente Jair Bolsonaro na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Segundo a reportagem do Jornal Nacional, registros do Condomínio Vivendas da Barra indicaram que o principal suspeito, Élcio de Queiroz, esteve no local horas antes do crime, solicitando para ir à casa do presidente.

Em depoimento, o porteiro confirmou que a voz identificada como o “Seu Jair” atendeu o interfone e liberou a entrada do suspeito, que então, teria se dirigido à casa de Ronnie Lessa, acusado de atirar nas vítimas. Contudo, a notícia informou que no mesmo dia, Bolsonaro estava em Brasília.

Na tarde de hoje, o Ministério Público do Rio de Janeiro divulgou uma nota dizendo que o depoimento do porteiro é incompatível com a gravação da chamada feita pelo interfone do condomínio.

Ainda no cenário doméstico, o Comitê de Política Monetária (Copom) divulgou, após o fechamento do mercado, sua decisão de reduzir a taxa Selic em 0,50%, passando de 5,50% para 5% ao ano.

Como resultado, a Bolsa brasileira avançou 0,79% aos 108.407 pontos, anotando um volume financeiro de R$18,795 bilhões.

Dólar vira para queda e fecha a R$3,98 com discurso de Powell

Em mais um pregão muito volátil, o dólar comercial fechou em queda contra o real brasileiro, sendo cotado a R$3,9860 na venda, nos patamares mínimos do dia.

Depois de ensaiar o movimento de alta, a divisa americana inverteu o sinal, pressionada pela decisão de política monetária do Federal Reserve.

O Banco Central dos EUA reduziu a taxa de juros em 0,25%, para o intervalo entre 1,50% e 1,75%, coincidindo com as previsões dos especialistas.

Mas, de fato, o que influenciou o comportamento do câmbio, foram as falas do presidente da instituição, Jerome Powell, afirmando que o aumento da taxa básica está descartado momentaneamente.

O fato trouxe ânimo ao mercado, já que um possível cenário de aperto das condições financeiras do país seria postergado para meados de 2021.

Powell também ressaltou que para os EUA retornarem a um ciclo de alta nos juros, seria preciso que a inflação aumentasse consistentemente, o que torna essa possibilidade ainda mais distante.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros encerraram com declínio nas taxas em todos os períodos, com os investidores precificando a flexibilização também no ambiente interno.

O DI abril/2020 caiu a 4,38% (4,46% no ajuste anterior), o DI julho/2023 declinou para 5,54% (5,59% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 recuou a 6,19% (6,24% no ajuste anterior).

Petróleo fecha em queda com aumento dos estoques nos EUA

Os contratos futuros de petróleo encerraram em queda nesta quarta-feira (30), reagindo à divulgação dos estoques da commodity nos Estados Unidos.

Segundo dados do Departamento de Energia (DoE) americano, os estoques de óleo bruto saltaram 5,7 milhões de barris na semana passada, alcançando o total de 438,853 milhões de barris.

Esse aumento surpreendeu os especialistas consultados pelo Wall Street Journal, que sinalizavam para alta de apenas 800 mil barris no período.

Como resultado, o petróleo vendido no West Texas Intermediate (WTI) para entrega em dezembro recuou 0,86%, sendo negociado a US$55,06 o barril.

Já o petróleo Brent para o mesmo mês, comercializado na ICE de Londres, declinou 1,59%, fechando na cotação de US$60,61 o barril.

Noticiário Corporativo: Santander avança 19% no 3º trimestre e fecha com lucro gerencial de R$3,7 bilhões

O Santander Brasil (SANB11) divulgou os balanços corporativos do terceiro trimestre, mostrando um lucro líquido gerencial de R$3,705 bilhões.

Esse valor representa um avanço de 19,2% em comparação ao mesmo período no ano passado, superando as projeções mais otimistas do mercado.

O lucro societário apurado nas demonstrações foi de R$3,608 bilhões, o que equivale a um aumento de 18,7% sobre o mesmo intervalo de 2018.

Na condição de terceiro maior banco privado do país, o Santander teve uma margem financeira bruta de R$11,676 milhões de julho a setembro, anotando um resultado 9,85% maior na comparação anual.

Porém, as despesas líquidas com provisão para devedores duvidosos (PDD) cresceram 7,7% em relação ao ano passado, alcançando o montante de R$2,820 bilhões.

E as despesas gerais de julho a setembro somaram R$5,258 bilhões, avançando 4,7% em comparação ao mesmo trimestre de 2018.

Sobre a carteira de crédito, o banco contabilizou R$408,606 bilhões na visão ampliada, evidenciando um crescimento de 3,7% no volume trimestral.

Os segmentos de pessoas físicas e pequenas e médias empresas novamente lideraram a expansão do portfólio, entretanto, as grandes companhias também demonstraram uma reação.

E para concluir o bom momento, o índice de Basileia da instituição foi mensurado em 16,2% no período, ficando ligeiramente acima do limite mínimo exigido pelo Banco Central, de 11,5%.

Movimentações na B3  

As ações de maior liquidez da Bovespa encerraram em alta, refletindo o otimismo do cenário externo. A seguir, as máximas do mercado à vista:

COMPANHIAS ESTATAIS
Ativo 29/10 30/10 Ativo 29/10 30/10
Petrobras (PETR3) +0,66% +1,21% Vale (VALE3) -0,06% -0,12%
Petrobras (PETR4) +0,78% +0,87% Embraer (EMBR3) -0,34% -0,79%
Eletrobras (ELET3) -1,51% +3,15% Banco do Brasil (BBAS3) -0,26% +1,56%
Eletrobras (ELET6) -0,50% +2,60% Cemig (CMIG4) +0,30% +2,19%

Carteira Recomendada de Outubro por 17 corretoras

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Ativo 29/10 30/10 Ativo 29/10 30/10
Itaú Unibanco (ITUB3) -1,48% +0,61% Usiminas (USIM3) +0,45% +1,47%
Santander (SANB11) +0,04% -1,66% CSN (CSNA3) -1,72% -1,83%
Bradesco (BBDC3) -0,82% +1,00% Gerdau (GGBR4) -0,76% +2,06%


Sobre o autor