HomeMercados

Ibovespa ensaia recuperação à espera da reunião entre Bolsonaro e Guedes; dólar cai a R$3,88

Por Pablo Vinicius Souza
15 abril 2019 - 12:15

No pregão inaugural desta semana, o Ibovespa operava em alta, ensaiando um movimento de recuperação às perdas observadas na última sessão. O mercado vê com grande expectativa a reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, que acontecerá no Palácio do Planalto hoje à tarde.

Dentre os temas importantes do encontro, será discutida a intervenção do governo que impediu a Petrobras de reajustar os preços do diesel na semana passada, causando à estatal perdas de 32,4 bilhões em valor de mercado em apenas um dia.

Manual do Imposto de Renda para Investidores

No final de semana, Paulo Guedes declarou para alguns jornalistas em Washington, que “uma conversa conserta tudo” caso o presidente tome alguma decisão “que não seja muito razoável na economia”, na tentativa de demonstrar que a situação de intervenção na estatal já está sob controle.

Nesse contexto, às 12h06 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira subia 0,40%, aos 93.250 pontos, registrando um giro financeiro de R$3,905 bilhões.

A Reforma da Previdência no CCJ

Essa semana será decisiva para o cumprimento do calendário da reforma da Previdência no Congresso e existe um grande risco de que o governo sofra uma dura derrota no primeiro grande desafio da proposta. Isso acontece em meio à sinalização que haverá desidratação precoce no texto, o pode minimizar os impactos econômicos da medida.

Conforme pesquisa realizada pelo Valor Econômico, um grande número de parlamentares que não são da oposição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara apoiam parcialmente o conteúdo da proposta. Ao todo, dos 48 deputados que compõem os partidos alinhados à proposta, apenas 15 são favoráveis ao texto integral.

Cerca de 26 deputados concordam parcialmente com a reforma, quatro estão indecisos sobre seu posicionamento e três são contrários ao parecer do relator. Com isso, crescem os temores de que os parlamentares resistentes se unam à oposição para impor uma derrota ao governo com a tramitação ainda no âmbito do CCJ.

Cotação do Dólar e juros futuros

O dólar comercial tinha queda de 0,04%, sendo cotado a R$3,88, em um dia de baixa oscilação no câmbio. A divisa americana operava perto da estabilidade contra as principais moedas emergentes, aguardando a divulgação de novos dados macroeconômicos e em atenção ao cenário político.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

Os contratos de juros futuros apresentavam um desempenho misto, com queda nas taxas de curto prazo e elevação nas taxas de longo prazo. Os investidores ajustam suas posições reagindo aos dados de inflação divulgados nesta manhã. O IBC-Br de fevereiro, que mostra as tendências do PIB, recuou 0,73%, bem acima das projeções que indicavam contração de 0,29%.

O DI com vencimento para setembro/2020 caía 0,58%, sendo vendido a 6,90% (6,92% no ajuste anterior), o DI para setembro/2022 subia 0,37%, sendo negociado a 8,13% (8,17% no ajuste anterior) e o DI para janeiro/2024 aumentava 0,12%, sendo comercializado a 8,60% (8,59% no ajuste anterior).

Mercado brasileiro

As ações de maior liquidez se alternavam entre perdas e ganhos para diferentes setores. Com destaque para as companhias que mais avançavam:

  • Petrobras (PETR3) +1,51%
  • Petrobras (PETR4) +2,13%
  • Eletrobras (ELET3) +4,22%
  • Eletrobras (ELET6) +2,23%
  • Banco do Brasil (BBAS3) +1,48%

Vale – O rompimento da barragem de Brumadinho/MG se tornou o centro das preocupações das siderúrgicas, que já sinalizaram para possível falta de matéria-prima no curto prazo. Conforme divulgado pelo Valor Econômico, siderúrgicas do Sudeste já estão sem o fornecimento de pelotas de minério.

O presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo Lopes, declarou que em 30 dias os auto-fornos das companhias poderão até ser desligados se a Vale não fizer nada para suprir a demanda do produto, uma vez que a parada na produção das minas reduziu drasticamente a oferta de matéria-prima.

CNS – A Goldman Sachs elevou a recomendação de vendas nas ações da CSN para neutra, com preço-alvo de R$15,30, mas ainda com potencial de baixa de 5,3% em relação ao que foi observado no último fechamento.

COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3) +1,51% Vale (VALE3) -0,93%
Petrobras (PETR4) +2,13% Embraer (EMBR3) -1,29%
Eletrobras (ELET3) +4,22% Banco do Brasil (BBAS3) +1,48%
Eletrobras (ELET6) +2,23% Cemig (CMIG4) +0,71%

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

SETOR BANCÁRIO SETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3) +0,42% Usiminas (USIM3) -2,12%
Santander (SANB11) +1,05% CSN (CSNA3) +0,74%
Bradesco (BBDC3) -0,20% Gerdau (GGBR4) -0,80%

 

 


Sobre o autor