HomeMercados

Ibovespa avança com setor bancário e à espera do anúncio sobre o FGTS

Por Pablo Vinicius Souza
24 julho 2019 - 12:28
reforma tributária

O pregão desta quarta-feira (24) começou em tom positivo, com o Ibovespa reagindo às novidades do cenário interno.

O mercado segue na expectativa pelo pronunciamento do governo sobre a liberação do saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que está previsto para hoje, por volta das 16h.

Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, a medida tem o potencial de injetar R$30 bilhões na economia ainda em 2019 e outros R$12 bilhões no ano que vem.

Também adicionava tração ao índice geral o avanço das ações do setor bancário, com os investidores ajustando posições, se antecipando à flexibilização da política monetária.

No exterior, a sessão é queda para as empresas de tecnologia em reação à notícia de que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos está abrindo uma investigação no setor, para lançar uma revisão formal antitruste.

A decisão foi tomada após reiteradas reclamações e pedidos de intervenção no comportamento das gigantes como Amazon, Apple, Facebook e Google.

Nesse contexto, às 12h15 (horário de Brasília), o Ibovespa saltava 0,68%, aos 104.413 pontos, registrando um volume financeiro de R$4,829 bilhões.

Dólar recua a R$3,75 com diálogo EUA-China e sessão de ajustes técnicos

Seguindo o clima otimista no exterior, o dólar segue em queda contra as principais moedas emergentes, depois de saltar no pregão da véspera.

A notícia de que autoridades dos Estados Unidos e da China se reunirão em Pequim na semana que vem renovou os ânimos no mercado.

Além disso, a divisa americana faz uma sessão de ajustes técnicos, equilibrando a cotação através do aumento do fluxo cambial de entradas.

Ás 12h15 (horário de Brasília), o dólar comercial recuava 0,37% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$3,7590 na venda, no menor nível do dia.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros operavam em leve baixa, com os investidores dando sequência ao movimento de retirada do prêmio de risco dos ativos.

Como há um cenário desenhado para a redução da taxa Selic na próxima reunião de política monetária, a tendência é que os contratos permaneçam com um viés de queda.

O DI outubro/2019 declinava 0,33%, sendo negociado a 5,95% (5,96% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2025 recuava 0,58%, sendo vendido a 6,83% (6,87% no ajuste anterior).

COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3)+0,60%Vale (VALE3)-1,58%
Petrobras (PETR4)+0,29%Embraer (EMBR3)+0,62%
Eletrobras (ELET3)+1,38%Banco do Brasil (BBAS3)+1,48%
Eletrobras (ELET6)+1,58%Cemig (CMIG4)-0,28%

E-BOOK GUIA COMPLETO PARA OBTER SUCESSO NOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES NA BOLSA DE VALORES

SETOR BANCÁRIOSETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3)+0,79%Usiminas (USIM3)-1,91%
Santander (SANB11)+0,60%CSN (CSNA3)-3,75%
Bradesco (BBDC3)+1,69%Gerdau (GGBR4)-0,71%


Sobre o autor