HomeMercados

Ibovespa avança aos 99 mil com exterior positivo e reforma da Previdência

Por Pablo Vinicius Souza
18 junho 2019 - 12:27
saldo positivo do Ibovespa

O pregão desta terça-feira (18) começou em tom positivo, com o Ibovespa operando em alta seguindo o clima favorável das Bolsas no exterior.

Os mercados reagiram positivamente ao discurso do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, que acenou para a aplicação de mais estímulos econômicos à zona do euro.

Caso os níveis de inflação não respondam às medidas já implementadas, a autoridade monetária da Europa reduzirá os juros ou comprará ativos para impulsionar o desenvolvimento das atividades.

Os investidores também acompanham a escalada de conflitos geopolíticos entre Estados Unidos e Irã, sobretudo, após o recente ataque aos navios petroleiros.

O governo americano responsabilizou Teerã pelo crime e anunciou, nesta manhã, o envio de mil soldados ao Oriente Médio para conter a ameaça iraniana.

Enquanto isso, no cenário doméstico, iniciaram os debates sobre a reforma da Previdência, que está sendo analisada pela Comissão Especial e será questionada por mais de 130 parlamentares.

Segundo reportagem da Folha, o governo está trabalhando para voltar com a inserção dos Estados e Municípios para o texto da proposta e retirar o trecho sobre o aumento da Contribuição Sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Também no radar, crescem as expectativas pela reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, que acontecerá entre hoje e amanhã, finalizando com o anúncio de novas diretrizes.

Nesse contexto, às 12h12 (horário de Brasília), a Bolsa brasileira avançava 1,79%, aos 99.371 pontos, registrando um giro financeiro de R$5,097 bilhões.

Dólar recua 1% e volta a R$3,85 com BCE e cenário político

A divisa americana recuava contra as principais moedas emergentes no exterior, em atenção ao otimismo que tomou conta dos mercados no exterior.

O movimento de alta ocorreu após o Banco Central Europeu declarar que está disposto a continuar com a política de estímulos, visando impulsionar a economia na zona do euro.

Dentre as medidas a serem adotadas está a redução na taxa básica de juros, que, segundo os analistas, também deve ocorrer nos Estados Unidos e no Brasil.

Por aqui, as discussões sobre a reforma da Previdência e as articulações do governo também pressionavam a queda do câmbio.

Ás 12h12 (horário de Brasília), o dólar comercial desvalorizava 1% contra o real brasileiro, sendo cotado a R$3,8580 na venda.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros apresentavam trajetória de queda, seguindo as expectativas de flexibilização da política monetária.

O DI abril/2020 declinava 0,25%, sendo negociado a 5,95% (5,96% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2026 cedia 1,03%, sendo vendido a 7,66% (7,76% no ajuste anterior).

Noticiário Corporativo

Bradesco (BBDC3)A diretoria do Bradesco, em conjunto com o Conselho de Administração, está considerando realizar o pagamento de juros sobre o capital próprio intermediários.

O valor seria referente aos resultados do primeiro semestre de 2019, e a proposta abrange o total de R$1,455 bilhão, sendo R$0,172536471 por ação ordinária e R$0,189790118 por ação preferencial.

De acordo com o banco, os juros intermediários representam cerca de 10 vezes o valor dos juros sobre o capital próprios pagos mensalmente e serão contabilizados como dividendos obrigatórios.

JBS (JBSS3) – A JBS informou que a agência Fitch Ratings elevou a classificação de suas ações de BB- para BB, com perspectiva estável no curto prazo.

Conforme o relatório da agência, a mudança no rating “reflete a expectativa de desalavancagem e forte geração de caixa da companhia (…)”, que foi reforçada pelas novas práticas de gestão.

COMPANHIAS ESTATAIS
Petrobras (PETR3)+1,66%Vale (VALE3)+4,06%
Petrobras (PETR4)+1,25%Embraer (EMBR3)-0,69%
Eletrobras (ELET3)+1,37%Banco do Brasil (BBAS3)+2,95%
Eletrobras (ELET6)+0,54%Cemig (CMIG4)-0,27%

E-book: Guia completo e definitivo da Previdência Privada

SETOR BANCÁRIOSETOR SIDERÚRGICO
Itaú Unibanco (ITUB3)+1,16%Usiminas (USIM3)+1,65%
Santander (SANB11)+2,97%CSN (CSNA3)+4,58%
Bradesco (BBDC3)+2,23%Gerdau (GGBR4)+3,31%


Sobre o autor