Empresas

IBOV: Eletrobras, Braskem e Cogna tem teles; Eneva e AES Tietê: Panorama corporativo

Por TradersClub
30 março 2020 - 10:05 | Atualizado em 30 março 2020 - 10:05

A safra de balanços do último trimestre chega ao fim nesta semana e as companhias já se preparam para fechar os resultados do primeiro trimestre, que devem começar a ser divulgados a partir de meados de abril. A continuação de algumas das notícias que podem mexer com o pregão da bolsa na B3.

Eneva: A companhia de energia deve fazer reunião com a AES Tietê para afinar pontos sobre a oferta de aquisição da última, apresentada cerca de um mês atrás. 

Balanços: Even, IMC, JSL, Linx e Braskem divulgam hoje seus resultados do quarto trimestre, após o fechamento do pregão. Equatorial e Eletrobras, que na sexta divulgou seu plano de investimentos de quase R$32 bilhões até 2024, farão teleconferências com investidores para discutir resultados. Amanhã será a vez de CVC Brasil, Tegma e Helbor divulgarem seus balanços. 

Petrobras: Fique de olho nos próximos avisos da estatal, após informar na semana passada o adiamento do pagamento de dividendos e uma primeira redução na produção de petróleo em decorrência da queda na demanda global. 

Eletrobras: A estatal de energia elétrica projeta investir até R$32,39 bilhões entre 2020 e 2024, com mais de 40% desse montante indo para energia nuclear e geração, sinalizando que deve focar em segmentos mais rentáveis e mais exigentes de capital para os próximos anos. A Eletrobras teve queda de 77% em seu lucro líquido no quatro trimestre do ano passado ante o mesmo período de 2018, a R$3,120 bilhões.

Bancos: Os maiores bancos comerciais do país irão arcar com 15% da conta do crédito para financiar as folhas de pagamento das pequenas e médias empresas no programa anunciado pelo Banco Central, BNDES e Ministério da Economia na última sexta-feira. 

Banco do Brasil: Ainda sobre o setor, a XP Investimentos fez uma rodada de cortes de preços-alvos por conta da recente queda dos mercados, mantendo o Banco do Brasil como preferido com recomendação da compra e alvo de R$43.

Klabin: A Klabin comprou a operação de embalagens da International Paper no país por R$330 milhões, se consolidando como líder no segmento. 

Alpargatas: A Alpargatas adaptou fábricas para produzir máscaras e jalecos para distribuição em comunidades carentes no país. A companhia doará 100 mil pares de Havaianas para estudantes e profissionais de limpeza. (Guillermo Parra-Bernal/ACS)


Sobre o autor