HomePolítica

Governo quer arrecadar R$ 150 bi com venda de ativos e desinvestimentos em 2020

Por Bruna Santos
15 janeiro 2020 - 10:12
governo

O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, falou formalmente da meta de venda de ativos e desinvestimentos para o governo federal em 2020.

A expectativa é elevar, aproximadamente, 42% a arrecadação com desinvestimentos e venda de ativos neste ano, a R$ 150 bilhões.

Esse montante engloba as mais de 300 (de 624 existentes) companhias no radar da privatização (total ou parcial) do governo.

Inclui-se no plano tanto empresas controladas pelo Estado, como subsidiárias, coligadas e empresas nas quais o Tesouro tem simples participação.

Ele não apenas afirmou que a privatização dos Correios ficaria para 2021, como também reforçou quais empresas não serão privatizadas.

De acordo com Mattar em entrevista a jornalistas, 2020 se voltará especialmente para as empresas do grupo Eletrobras.

Com a capitalização da Eletrobras (ELET3ELET5ELET6), o governo federal almeja aliviar os cofres públicos.

Segundo a Reuters, o secretário se mostra confiante na aprovação do projeto de lei que prevê a desestatização da empresa.

“A meta para 2020 é ousada”, reconheceu ele, reiterando posteriormente que BB, Caixa e Petrobras não serão privatizadas.

Ao longo do ano passado, o governo federal arrecadou R$ 51,4 bilhões com desestatizações e R$ 54 bilhões com desinvestimentos.

Na época, as empresas que foram vendidas ou que tiveram participação vendida pela União incluíram IRB Brasil (IRBR3), Embraer (EMBR3) e a mineradora Vale (VALE3).

Além de acusar os sucessivos governos anteriores de terem violado o artigo 173 da Constituição, desvirtuando o Estado ao criar empresas sem imperativos de segurança nacional ou relevante interesse coletivo, o secretário afirmou que o governo avalia enviar o projeto “fast track” para incluir as empresas privatizáveis, obrigatoriamente, no Plano Nacional de Desestatização (PND), sem passar pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).


Sobre o autor