Economia

Fundos emergenciais amparam os pequenos negócios

Por Fast Trade
14 abril 2020 - 16:48 | Atualizado em 14 abril 2020 - 17:24
Fundos de investimento

Fundos emergenciais e abertura de crédito a microempreendedores negros e mulheres surgem como uma solução para socorrer os pequenos negócios na periferia e em favelas.

Com o avanço do coronavírus às regiões mais pobres, as atividades locais estão sendo muito prejudicadas e existe um nicho de empreendedores e autônomos informais que precisarão de recursos para sobreviver.

Nesse contexto, iniciativas como a coalizão Éditodos, que reúne e fomenta o empreendedorismo negro no Brasil, entram em cena para servir de ponte entre as pessoas e o financiamento.

Para isso, a entidade criou o Fundo Emergências Econômicas visando arrecadar R$1 milhão em doação de empresas privadas, para apoiar financeiramente os nano empreendedores mais vulneráveis.

As primeiras organizações a participarem do projeto colaborando com o fundo são Itaú Unibanco, Assaí Atacadista, Instituto C&A e Fundação Arymax.

Segundo Rosenildo Ferreira, co-fundador da aceleradora Vale do Dendê e integrante da Éditodos, o projeto já captou 50% do valor desejado e precisa continuar arrecadando para cumprir o objetivo.

Dessa forma, a meta é ajudar com até R$2 mil mais de 500 empreendedores ligados a projetos locais nas cidades de Salvador, São Paulo, Belo Horizonte e no Distrito Federal.

Os fundos emergenciais vão para pequenos negócios como a quituteira que vende marmitas, o micromercado familiar gerenciado por pai e filho, a pizzaria caseira que faz entregas, etc.

Além disso, cerca de 82% dos empreendedores negros não tem CNPJ ou qualquer registro do negócio, conforme indica o levantamento do Fundo Emergências Econômicas.

“Esses micro e nano empresários são ricos demais para o Bolsa Família e pobres demais para o Sebrae. A maior parte deles são desbancarizados” – explicou Ferreira, mostrando a importância do projeto neste momento de crise.

Acompanhe as últimas notícias do mercado:

Grandes empresas se unem pela manutenção dos empregos

Balança comercial brasileira tem superávit de US$ 1,715 bilhão na 2ª semana de abril

Carteira recomendada da Guide substitui BRF, B2W e Petrobras por B3, Cemig e Suzano


Sobre o autor