HomePolítica

FMI analisa crescimento de 2,5% para a economia brasileira em 2019

Por Eloiza Amaral
21 janeiro 2019 - 15:35
economia brasileira

Em análises divulgadas em Davos durante o Fórum Econômico Mundial, o FMI (Fundo Monetário Internacional) alega que mesmo com previsão de queda para a economia mundial os mercados do Brasil devem alcançar expansão de 2,5% este ano, índice positivo em comparação ao que havia sido projetado anteriormente, 2,4%. Isto representa uma leve recuperação do país após a crise que teve início em 2016, e compensa parcialmente a situação da América Latina.

Baixe o E-book O Guia Completo de Como Ter Sucesso Nas Operações de Day Trade

Em relação a expansão global, foi apresentado 0,2 pontos percentuais abaixo das expectativas anteriores, que acreditavam que os índices chegariam a 3,7% em cálculos feitos em outubro do ano passado.

Como um dos fatores responsáveis pelo declínio há a tensão entre Estados Unidos e China, que levou à incertezas comerciais, e retirada de investimentos em diversos mercados, além disso, declínios na zona do euro, desastres naturais no Japão, o novo pacto de emissão de gases na Alemanha e a possibilidade de um Brexit infeliz também estão relacionados com os dados apresentados.

Relatório gratuito – Petrobras: O petróleo é nosso

“Embora os mercados financeiros nas economias avançadas parecessem estar dissociados das tensões comerciais durante grande parte de 2018, os dois se entrelaçaram mais recentemente, apertando as condições financeiras e aumentando os riscos para o crescimento global”, explicou Gita Gopinath, conselheira econômica do FMI e diretora de pesquisa e completou com “As revisões para baixo são modestas; no entanto, acreditamos que os riscos para correções descendentes mais significativas estão aumentando. ”.

Relatório gratuito – Banco do Brasil: O gigante acordou

Durante os dias 30 e 31 de Janeiro o primeiro ministro chinês, Liu He, estará em Washington para se encontrar com Representante Comercial Robert Lighthizer e o Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, e fazer uma nova rodada de negociações que podem dar uma trégua nas disputas comerciais das duas potências.


Sobre o autor