EconomiaHome

Eventos domésticos são destaques nos próximos dias

Por Bruna Santos
03 novembro 2019 - 11:14

Os eventos domésticos dominam a atenção dos investidores, em semana do novo horário de negociação da Bolsa brasileira (B3 (B3SA3)). Essa modificação será temporária, a fim de acompanhar o horário de verão nos EUA, que se encerra no domingo (3). Assim, o pregão regular do segmento Bovespa permanecerá com sua abertura às 10h, mas fechará uma hora mais tarde (18h).

Amanhã (4) será celebrado os 300 dias do governo em uma solenidade no Palácio do Planalto. O evento marcará o lançamento de novas medidas para estimular o emprego entre jovens e pessoas acima de 55 anos.

No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro deve entregar ao Congresso Nacional o conjunto de reformas que está sendo elaborado pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes. Ainda na terça-feira, pode ser votada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado a PEC paralela da Previdência.

A licitação do megaleilão da cessão onerosa é prevista para quarta-feira (6), seguido da 6ª partilha de produção do pré-sal.

Agenda de indicadores

A semana seguinte à redução da taxa básica de juros no Brasil e EUA promete uma agenda de indicadores recheada.

Os eventos domésticos econômicos se dividem entre a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) na terça-feira (5), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de outubro na quinta-feira (7) e uma nova safra de balanços corporativos, com mais 49 resultados previstos, como o do Itaú Unibanco (ITUB4) na segunda-feira (4) e do Banco do Brasil (BBAS3) e da B3 (B3SA3), ambos na quinta-feira (7).

A ata do Copom deve trazer informações adicionais sobre os próximos passos do Comitê. Além disso, o IBGE publica os índices de preços ao produtor de setembro e o Markit revela o índice PMI composto de outubro.

Posteriormente, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) divulga os dados de produção e venda de veículos do mês passado na quarta-feira (6). O IPCA, por sua vez, pode contrair para 2,54% no comparativo anual, segundo estimativas de economistas consultados pela Bloomberg. Também na quinta, saem os números do IGP-DI de outubro pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Lá fora o mercado monitora as leituras finais dos índices PMI dos Estados Unidos, assim como da zona do euro. Ademais, são divulgados os dados de balança comercial e de inflação da China, todos referentes ao mês de outubro.


Sobre o autor